Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Banho de sal grosso

Mas por que, se o País não sai da crise e nenhum dos candidatos a presidente da República consegue arrebatar os eleitores?

Por Deonísio da Silva - 13 Maio 2018, 11h26

Deonísio da Silva

O Brasil está com mau-olhado e precisa de um banho de sal grosso, como recomendavam antigas benzedeiras. Mas quem está com inveja do Brasil?

O País não sai da crise e nenhum dos candidatos a presidente da República consegue arrebatar os eleitores.

O segundo turno foi criado para que o presidente chegasse ao poder com maioria de votos. Mas no segundo turno o eleitor não vota no seu candidato; vota num candidato que pode ser de outro partido. E pode engolir um sapo glabro ou um sapo barbudo, como de Lula, disse Brizola ao recomendar o voto no adversário em 1989. Ainda assim, nem unidos venceram Collor.

Nas duas eleições seguintes, Fernando Henrique Cardoso impôs-se como o único a eleger-se no primeiro turno desde que o segundo tinha sido inventado, feito nunca mais alcançado por nenhum outro. Lula, no auge de seu arsenal de votos, precisou dos dois turnos, na eleição em 2002, e na na reeleição, em 2006.

Por que banho de sal grosso e não um banho de açúcar ou de café? Afinal, já tivemos um ciclo econômico dominado pelo açúcar, outro pelo café e nenhum pelo sal.

É que o sal é nossa mais antiga companhia e está na palavra salário, do Latim salarium, originalmente o denarius, dinheiro, recebido para comprar sal e assim conservar os alimentos.

Mas é preciso usar o sal com cuidado. Judas Iscariotes derruba o saleiro na mesa da Última Ceia, dando vez à superstição de que sal derramado dá azar. Claro! O amigo traído foi crucificado, e o traidor enforcou-se, abrindo a pança, já inchada, ao bater no chão quando despencou do galho em que se dependurara, como esclarecem os Atos dos Apóstolos. Na sequência quase todos os discípulos foram martirizados. Deu realmente muito azar!

Continua após a publicidade

À mesa, quem passa o sal não o entrega na mão de quem o pediu: põe o saleiro perto da pessoa para que ela o apanhe. O vizinho pode pedir emprestado açúcar ou café, que serão devolvidos, mas se pedir sal não pode devolvê-lo; deve recebê-lo como presente.

Convém levar um grão de sal no bolso ou dentro de um saquinho pendurado ao pescoço. Se acompanhado de um dente de alho, melhor ainda, pois sal não é bugalho e pode ser misturado com alho, sem contar que na luta contra vampiros o bulbo é de muita valia. Mas daí já seria o caso de levar também um crucifixo e uma estaca.

O plural sais designa conjunto de substâncias voláteis administradas a quem desmaiou por intensa emoção ou por roupas apertadas, condições às vezes combinadas em dias de calor em que as cerimônias demoravam mais do que de costume.

O jornalista, engenheiro e escritor Euclides da Cunha, autor de trágica existência e obra extraordinária, conta em Os Sertões uma outra crendice. Os sertanejos deixavam ao relento seis pedrinhas de sal. No dia seguinte, olhando-as da esquerda para a direita decifravam os presságios da meteorologia, fazendo a previsão do tempo para os primeiros seis meses do ano. O ato tinha lugar no anoitecer de 12 de dezembro, dia de Santa Luzia.

No alvorecer do dia seguinte, se as seis pedrinhas estavam intactas, a previsão era de seca. Se a primeira se diluísse, era sinal de janeiro chuvoso. Se a segunda, fevereiro, e assim por diante. E se todas se diluíssem, o inverno não seria rigoroso.

Como é que a sabedoria popular chegou a isso? Luís da Câmara Cascudo anotou sobre a experiência: “em que pese o estigma supersticioso, tem base positiva, e é aceitável desde que se considere que dela se colhe a maior ou menor dosagem de vapor d´água nos ares, e, dedutivamente, maiores ou menores probabilidades de depressões barométricas, capazes de atrair o afluxo das chuvas”.

Mas no Brasil, como se sabe, o presente está indecifrável e até o passado é difícil de prever. Imagine o futuro!

*Deonísio da Silva
Diretor do Instituto da Palavra & Professor
Titular Visitante da Universidade Estácio de Sá
http://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

Continua após a publicidade
Publicidade