Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Amnésia bandida

“Era uma empresa, cujo dono se chamava Carlos, eu não me lembro do nome dele. Não é amigo de muita relação, mas é uma pessoa próxima, já trabalhamos juntos em outras obras” Frederico Barbosa, engenheiro da Odebrecht que supervisionou as obras do sítio de Atibaia que abriga a Famiglia Lula quase todo fim de semana, […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 23h37 - Publicado em 1 fev 2016, 10h06

“Era uma empresa, cujo dono se chamava Carlos, eu não me lembro do nome dele. Não é amigo de muita relação, mas é uma pessoa próxima, já trabalhamos juntos em outras obras”

Frederico Barbosa, engenheiro da Odebrecht que supervisionou as obras do sítio de Atibaia que abriga a Famiglia Lula quase todo fim de semana, garantindo em entrevista à Folha que, quando está de férias, fica tão esquecido que não lembra o nome de amigos para os quais trabalha de graça e nem sabe quem era aquele barbudo com cara de dono do lugar que vivia aparecendo por lá.

Publicidade