Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A trama dos três patetas animou o comício-velório no Planalto com um novo grito de guerra: ‘Uh, Maranhão!’

Durante algumas horas, um Eduardo Cunha em edição piorada fez Dilma sonhar com o enterro do impeachment e a permanência no emprego

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 22h46 - Publicado em 10 Maio 2016, 20h32

Nesta segunda-feira, Dilma Rousseff estrelava no Palácio do Planalto um comício da pelegagem estudantil quando recebeu a notícia de que Waldir Maranhão fizera o que, na véspera, havia prometido fazer ao fim do encontro com José Eduardo Cardozo: numa decisão monocrática, anulou a sessão da Câmara que aprovou o impeachment da presidente. Para fingir que ignorava a trama que aprovara com louvor, Dilma caprichou na expressão de surpresa ─ até trocou por um sorriso de aeromoça a carranca que exibe desde o primeiro dia no berçário.

Enfim convencidos de que não vai ter golpe, os estudantes profissionais mudaram o grito de guerra: “Uh, Maranhão!”, passaram a berrar. À tarde, o presidente do Senado anulou a decisão que pretendia anular tudo o que já foi decidido sobre o impeachment da governante desgovernada. À noite, o próprio Maranhão revogou a anulação do que já se tornara irrevogável. Substituto de Eduardo Cunha na presidência da Câmara, pode ter o mandato cassado antes do titular deposto pelo Supremo.

Enredado nas investigações da Lava Jato, a perda do direito ao foro privilegiado deverá antecipar a mudança de Maranhão para a República de Curitiba. Flávio Dino, que por algumas horas reivindicou a paternidade da ideia de jerico, lembrou subitamente que havia um Estado à espera de algum governador e caiu fora de Brasília. Com adversários assim, a Famiglia Sarney tem o direito de sonhar com a retomada da capitania que lhe pertenceu por 50 anos.

Dois dias antes do fim da Era da Canalhice, José Eduardo Cardoso rasgou de vez a fantasia de advogado-geral da União para assumir oficialmente o Ministério das Chicanas Imbecis. Vai ficar no cargo até a hora de deixar o Planalto em companhia da patroa despejada. Saiam ou não pela rampa, os farsantes despejados pelo povo entenderão já na primeira passada que estão descendo a ladeira que termina no beco dos esquecidos.

Ali se aglomeram presunçosos que descobriram tarde demais que a morte política frequentemente precede a morte física.

http://videos.abril.com.br/veja/id/76aec4f79209b14f900f062afb7bb09c?

Continua após a publicidade
Publicidade