Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A mentira como rotina tenta camuflar a grande fraude

O perfil não autorizado de Dilma Rousseff, que será publicado no começo da semana, prova que entre a candidata à Presidência e as encarnações anteriores – a guerrilheira, a secretária municipal, a secretária estadual, a ministra de Minas e Energia e a chefe da Casa Civil – há uma única diferença relevante: as outras Dilmas […]

O perfil não autorizado de Dilma Rousseff, que será publicado no começo da semana, prova que entre a candidata à Presidência e as encarnações anteriores – a guerrilheira, a secretária municipal, a secretária estadual, a ministra de Minas e Energia e a chefe da Casa Civil – há uma única diferença relevante: as outras Dilmas não falavam. Depois que desandou na discurseira, o monumento à eficiência começou a escancarar perturbadoras rachaduras. E o Brasil que pensa vai descobrindo que a cria de Lula é um Pacheco de terninho que passou a vida conversando com o Conselheiro Acácio e mente compulsivamente para ocultar a grande fraude: a maior gerente-de-país desde o Descobrimento não existe. Nunca existiu.

Estava na primeira linha do perfil quando chegou este comentário do excelente jornalista Celso Arnaldo. Tudo a ver. Confiram. Volto no fim do texto.

Diante de uma fala gravada de Dilma, qualquer jornalista, mesmo completamente despreparado, se sente compelido a reescrevê-la, para não martirizar seu leitor com a tortura iletrada do pensamento da ministra.

Engano meu, pois há uma exceção: a tropa de choque do pessoal que cuida do site da Casa Civil… Já na primeira página, além do áudio da entrevista dela ao programa Bom dia Ministro, há a transcrição na íntegra da gravação. Eles não mudaram uma vírgula, uma respiração, erros de concordância e raciocínio que, enfileirados, iriam daqui a Brasília. Obrigado, Casa Civil! Vocês não sabem o que fazem.

Vejam o que ela responde a uma crítica sobre o Minha Casa, Minha Vida:
“Olha, não é isso que nós estamos vendo. Não é isso que a gente tá vendo e eu vou te falar a partir do que. Hoje, já tem mais de 400 projetos apresentados para a Caixa, “dominantemente” naquela distribuição em que zero a três é o pessoal que faz a moradia para renda de zero a três salários mínimos é a grande maioria. Lá dentro da Caixa já tem aprovado mais de 100 mil contratações. A gente não esperava que tivesse nenhuma casa pronta a não ser que essa casa tivesse começado a ser construída antes da gente lançar o programa, o que seria impossível porque, em média, você reduzindo o máximo que você puder toda burocracia que envolve a construção de casa, o nosso objetivo é chegar 11 meses, ou seja, dada a escolha do terreno até a hora que a chave foi entregue na mão da pessoa que vai morar, o mínimo é 11 meses. No Brasil nós estamos tentando reduzir isso porque era 22, nós estamos tentando chegar nessa meta de 11″.

Sobre um tal “anel de Belo Horizonte”:
“A boa notícia é o seguinte. O anel nós estamos agora com ele em fase final de aprovação. O Ministério dos Transportes já avaliou, nós consideramos que o projeto está bom, então ele entra no PAC, a gente considerando aquilo que ele vai ser licitado imediatamente, não vai ficar parado nem nada. Então, acho que essa é uma boa notícia”.

De novo sobre o Minha Casa:
“Porque nós não vamos ter de dar conta de resolver o problema de seis milhões de habitações. São seis milhões de lares, de moradias, de casas que falta no Brasil. Daqui para frente o que nós estamos fazendo é o seguinte: nós vamos provar para esse um milhão que é possível fazer. E vamos, eu acho, a partir do final desse programa, nós teremos de estar em perfeitas condições para iniciar já fazendo os outros seis milhões sem o que o déficit habitacional brasileiro não vai ser resolvido”.

Dispensa comentários, mas me permito um: já pensou se, na hora de defender a tese que nunca defendeu para o doutorado que nunca fez, a Dilma falasse desse jeito para a banca examinadora?

Não seria pau direto até na Uniban?

Dilma é isso aí. Sempre foi. Prisioneiro da  formação intelectual indigente, Lula não sabe se alguém está pronto para lecionar em Harvard ou naufragar no Enem. É compreensível que tenha resolvido transformar em sucessora a companheira de cabeça confusa. Deve achar bonito o que Dilma diz. Deve achar que só uma sumidade consegue, simultaneamente, pilotar um projetor e falar bem do PAC. Mas muitos espertalhões da base alugada montam frases com começo, meio e fim, e distinguem um cérebro em bom estado de outro severamente avariado. Essa gente é mais cínica, servil e cafajeste do que parecia. Não é pouca coisa.


Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Sandro Martins

    Aí está a entrevista completa…
    http://www.casacivil.gov.br/casa_civil/entrevista-da-ministra-dilma-rousseff-ao-programa-bom-dia-ministro/view
    Não percam, amigos. E tentem imaginar a figura num debate. abraços, Augusto

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ixmael

    Valeu, Sr. Nunes, agora o tópico
    Mais Comentados tem dez, né ?
    Todos com tres dígitos. Isso diz
    alguma coisa, não ? Pode crer.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Raimundo Nonato

    Que vergonha!
    Mas o que esperar de uma pessoa com falso doutorado, de passado nebuloso e protagonista de tantos escândalos?
    De nada adianta contratar marketeiro americano. A imagem desta senhora está completamente associada à mentira, à prepotência, aos escândalos, e à arrogância.
    Ninguém tem duvida disto, Basta dar uma olhada nas pesquisas que indicam a candidata do Lula/Collor/Maluf/Roseana/Cabral/Duque/Sarney/Juca/Renan e até do Chavez, com mais de 40 % de REJEIÇÃO!
    Dilma? JAMAIS!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Danilo Thomaz

    A Dilma é o Médici de peruca, terninho e plástica paga com dinheiro público.
    Ela não ficou a cara do Baby da “Família Dinossauro”, um seriado infantil que passava nos anos 90?

    Curtir

  5. Comentado por:

    PAULO ROBERTO

    Augusto,
    Puta vergonha! Imagine isso atuando internacionalmente !
    Do LuLLa o mundo conhece a origem, o sabe apedeuta e o desculpa como algo exótico, mas com ela, bem ou mal é formada, mente até que é pós-graduada, não terão a complacência que têm com o operário “anarfa” que dorme o sono dos ignorantes quando lê. Seremos pasto da chacota internacional. E, novamente, o mundo se curvará perante o Brasil, de tanto rir !

    Curtir

  6. Comentado por:

    Manoel Francisco Gomes

    A senhora não-doutora pela UNICAMP é pelo menos formada em curso superior ? Em qual universidade ? Na UNIBAN ?

    Curtir

  7. Comentado por:

    Julia

    Forest Dilma.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Pedro Destro

    Olá Augusto,
    Só me pergunto sempre porque o apedeuta e o pt, desde sempre, tiveram e têm tanto espaço na mídia e nas redações ocupadas por tantos jornalistas companheiros! O Diretores e Editores continuaram e continuam dando espaço para ‘cumpanheirada’. Eles querem publicidade e a tem. Lamentável!

    Curtir

  9. Comentado por:

    Estela

    Em primeiro lugar, esse Estela é meu, mesmo (fazer o quê, se a escolha da Dilmentirosa foi infausta…)
    Em segundo lugar, esse brá-brá-brá da cumpanhêra não deveria ser novidade: essa indigência cognitiva é típica da ixquerrrda ixperrrta, que usa rabo de cavalo, camiseta do Che Guevara e bolsa de couro trespassada.
    Pra eles, basta discursar enfatizando os substantivos (“baixa renda”, emprego, moradia, crescimento) e pronto: pra que o verbo, pra que a lógica? o que mais interessa pro curral já tá na frase, mesmo…
    Pra finalizar, a indigência rastaquera não precisa de método nem de princípio: basta o objetivo; não precisa pensar em “como” fazer, nem “quando”: o que interessa é que vai ficar lindho…!

    Curtir