Clique e assine com 88% de desconto
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

Se a economia melhorar, Bolsonaro se tornará um autocrata. Será?

Orbán teve sucesso em seu projeto autocrático dentre outros motivos porque a Hungria vem crescendo puxada pela Alemanha

Por Alberto Carlos Almeida - 5 fev 2020, 15h23

Um tema onipresente no debate político brasileiro é o desejo de Bolsonaro de se tornar um autocrata como Orbán na Hungria. Por isso, há quem diga que um eventual crescimento econômico vigoroso do Brasil aumentará a provação de Bolsonaro, e consequentemente tornará os deputados mais maleáveis a aprovar o que ele enviar para a Câmara. É possível, mas não é provável.

Orbán venceu três eleições, 2010, 2014 e 2018. Em todas o seu partido conquistou 66% das cadeiras do parlamento húngaro. Bolsonaro não tem partido, o máximo com que ele pode contar é com o beneplácito do Centrão para aprovar o que for de seu interesse. O Centrão já mostrou no ano passado que não ultrapassa os limites do razoável, e Bolsonaro não seria razoável se tentasse enviar proposições que lhe tornassem um autocrata.

Querer não é poder. Bolsonaro pode querer se tornar um Orbán, mas ele terá de enfrentar as instituições do presidencialismo de coalizão, a Câmara, o Senado, o STF, o Ministério Público, o Tribunal de Contas da União, os governos estaduais, a justiça comum, a sociedade, os movimentos sociais, a sociedade civil, a opinião pública, os partidos e parte da mídia. São muitos adversários para quem sequer conseguiu manter Roberto Alvim no cargo.

Publicidade