Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

Dilma sofreu impeachment no 6o. ano de mandato, Bolsonaro está no segundo

No segundo ano de mandato Dilma aprovava tudo na Câmara e no Senado

Por Alberto Carlos Almeida 20 abr 2020, 14h28

Bolsonaro em 2020 só é comparável a Dilma em 2012, ambos no segundo ano de mandato, quando ela tinha uma aprovação popular maior do que a que Bolsonaro tem hoje e quando tudo que seu governo enviava para a Câmara e o Senado era aprovado com facilidade. É sempre bom recordar que foram necessários seis anos de desgaste para que Dilma sofresse o impeachment, e que ele só foi possível quando ela tinha menos de 15% de ótimo/bom e mais de 65% de ruim/péssimo. Aliás, ela ficou 12 meses consecutivos com esta avaliação sem que tivesse sido viável afastá-la.

Faltam ainda dois meses para que Bolsonaro conclua um ano e meio de mandato e já se fala abertamente em impeachment. Vale lembrar que tanto no caso dele quanto de Dilma as instituições preveem eleições ao final do quarto ano de mandato, quando é sempre possível retirar o mandatário ou seu partido pelo voto.

Se considerarmos apenas a precocidade do debate acerca do impeachment de Bolsonaro, devemos admitir que o apoio que ele hoje tem é bem menor do que Dilma tinha em seu segundo ano de mandato. Ele tinha uma avaliação popular muito melhor em 2012 do que Bolsonaro tem em 2020, ela tinha a seu lado os dois maiores partidos da Câmara e do Senado, PT e PMDB, que juntos tinham imensa força gravitacional para colocar juntos todos os partidos do Centrão. Bolsonaro não tem nada disso e o resultado é esse: fala-se de impeachment antes que ele complete 18 meses de mandato, algo que nunca tinha sido assunto no mesmo período do Governo Dilma.

São essas coisas que fazem as instituições agirem. Elas sempre foram as mesmas instituições com Dilma e com Bolsonaro, falta-lhes (ou não) as razões para atuar. Se as razões estiverem presentes, elas não se absterão de dar as respostas adequadas.

Continua após a publicidade

Publicidade