Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Entenda como gigantes do streaming contribuem para o efeito estufa

Netflix e outras plataformas de vídeo sob demanda tem alta pegada de carbono

Por Duda Gomes Atualizado em 8 nov 2021, 18h59 - Publicado em 5 nov 2021, 08h01

Sentar no sofá e ligar a televisão para assistir a sua série preferida na Netflix pode ser mais nocivo para o meio ambiente do que você imagina. A pegada de carbono, isto é, a quantidade de CO2 emitida na atmosfera, produzida ao assistir à programas em plataformas de streaming é imensa.

A gigante Netflix divulgou recentemente uma métrica dos seus hits globais por horas visualizadas. Os dez principais programas da casa – entre eles Round 6, Bridgerton, Lupin e Stranger Things – acumularam mais de 6 bilhões de horas de visualizações nos primeiros 28 dias após o lançamento.

O número de emissão de carbono nesse processo corresponde a aproximadamente 1,8 bilhão de quilômetros de viagem de carro, com base na estimativa da Carbon Trust.

É como se alguém pegasse um carro no planeta Terra e dirigisse, em linha reta, até Saturno.

Em 2016, o Youtube, maior site de compartilhamento de vídeos do mundo, emitia por ano 11 milhões de dióxido de carbono equivalente, o CO2e, unidade de medida que indica pegada de carbono. Na época tinha 1,4 bilhão de usuários.

Hoje tem mais de 2,4 bilhões. Essa quantidade de CO2e se assemelha a de cidades do tamanho de Glasgow, na Escócia, onde líderes mundiais estão reunidos na cúpula do clima, Cop26.

No Brasil, existem mais de vinte tipos de plataformas de streaming disponíveis, sendo Netflix, GloboPlay, Amazon Prime Video e Disney+ as mais famosas.

Continua após a publicidade

A cadeia de atividades necessária para transmitir os vídeos em casa é imensa: vai desde a infraestrutura de armazenamento de dados e transmissão por wifi e banda larga até o uso de aparelhos eletrônicos para assistir os conteúdos.

Todo esse processo demanda eletricidade, e a maior parte é gerada pela emissão de gases do efeito estufa.

Segundo estima a Netflix, uma hora de streaming por um usuário em sua plataforma produz menos de 100g de CO2e.

Para ser mais exato, com base em usuários na Europa, emitem em média 55g de dióxido de carbono por hora. Medida equivalente a dirigir 300 metros de carro.

A preocupação com o impacto do streaming no meio ambiente é uma questão relativamente nova. No início deste ano, a Netflix anunciou a meta de atingir zero emissões líquidas de gases de efeito estufa até o final de 2022.

Mas a emissão de gases gerados pelo público fica na tangente deste plano, e é uma questão significativa na pasta de poluição da empresa.

O comprometimento da meta da plataforma se estende apenas para a pegada de carbono de suas operações corporativas e na produção de filmes e séries.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)