Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A comida do futuro

Hambúrgueres criados em laboratório, pizzas impressas em casa, tomates roxos com propriedades anticâncer ampliadas. Dentro de décadas, nossos pratos terão os mesmos nutrientes de hoje. Mas o aspecto vai ser bem diferente

Você chega em casa cansado, tira do congelador um pacote de almôndegas desenvolvidas em laboratório. Digita na impressora 3D o cardápio que vai acompanhar: uma pizza feita de ingredientes em pó. E separa na geladeira dois tomates roxos para fazer uma salada, salpicada com um produto que tem gosto de ovo, mas na verdade é feito de gergelim. Bom apetite, este vai ser o jantar dos anos 2050.

No século passado, os futuristas imaginavam que a comida da virada do século seria composta por uma série de pílulas – ninguém perderia tempo preparando uma salada quando todos os nutrientes necessários estivessem ao alcance da mão. “Em cem anos, as pessoas vão se alimentar exclusivamente com pílulas sintéticas”, disse a escritora e ativista Mary Elizabeth Lease, em 1893. Nada mais improvável. “Nunca vamos abrir mão do prazer de preparar uma refeição, mesmo que seja usando uma impressora e não um fogão. A combinação de aromas e cores de um prato e o convívio ao redor da mesa com a família e os amigos são tão importantes hoje quanto há 3.000 anos”, afirma o agrônomo canadense Christophe Pelletier, autor de Future Harvests, livro que tenta prever como a humanidade vai se alimentar daqui a 37 anos.

Nove bilhões de bocas para alimentar – Algumas tradições vão mudar por um motivo simples: em quatro décadas, a humanidade vai ter ultrapassado os 9 bilhões de habitantes, 2 bilhões a mais do que atualmente. Em 40 anos, o planeta vai ter recebido mais uma quantidade de humanos equivalente à soma de uma China e dois Estados Unidos hoje. Vai ser preciso gerar comida o suficiente para cada um dos principais grupos alimentares – vitaminas, sais minerais, fibras, proteínas, carboidratos e gordura. Arroz, por exemplo, não será um problema: com dinheiro da Fundação Bill Gates e suporte da Academia Chinesa de Ciências da Agricultura, o agrônomo chinês Zhikang Li criou uma variedade que cresce rápido, produz mais grãos e é extremamente resistente a inundações, secas, pestes e insetos. São as proteínas de origem animal que representam o maior desafio.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação prevê que, em quatro décadas, o aumento da quantidade de terras usadas para a pecuária teria de ser da ordem de 70%, de 34 para 57,8 milhões de quilômetros quadrados, ou quase três Brasis. Impossível. “Não vamos conseguir produzir carne em quantidade suficiente para toda a população. Os bifes como conhecemos hoje vão ser raros e caros”, diz a britânica Morgaine Gaye, especialista em tendências do mercado de alimentos e professora na Nottingham Trent University.

Alternativas – Algumas alternativas já existem, e são mais sofisticadas do que os produtos à base de soja. Depois de 10 anos de desenvolvimento em parceria com a Universidade do Missouri, a startup americana Beyond Meet desenvolveu um composto de ervilhas que, depois de processado, fica muito parecido com um pedaço de carne. Com a vantagem de não ter colesterol, gordura saturada ou os hormônios ministrados aos animais. O resultado é tão parecido com carne de frango que já enganou consumidores submetidos a testes cegos. Os ovos também já podem ser substituídos por um pó esverdeado da Hampton Creek Foods, de São Francisco, que tem o gosto do ovo comum e pode ser usado em bolos, saladas e doces. Mas é feito a partir de uma base de gergelim.

Estes produtos, entretanto, não vão dar conta da demanda em larga escala. Uma das soluções mais viáveis para o problema da demanda global por proteínas nas próximas décadas está nos insetos.

Leia também:

A fábrica de órgãos humanos

Pão de grilo – Para a FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, os insetos, esses “apetitosos” bichinhos crocantes de seis patas, são o futuro. Os motivos alegados são bons. Insetos são ricos em proteínas: proporcionalmente, moscas têm quase o dobro do que bois. Por outro lado, têm pouca gordura e boas doses de cálcio e ferro.

Também são animais fáceis de criar: eles ocupam pouco espaço, consomem menos água e se reproduzem com facilidade. Com 2 quilos de ração, é possível produzir 1 quilo de comida, enquanto que 1 quilo de carne de gado precisa de 8 quilos de alimentos. Variedade não falta: de acordo com a FAO, existem cerca de 900 espécies diferentes comestíveis. Em muitos países, eles já fazem parte da dieta há séculos: os japoneses comem vespas, os tailandeses gostam de grilos, os africanos cozinham larvas e os chineses vendem espetinhos de gafanhotos nas ruas. O governo da Holanda quer que o país entre nesta lista: está investindo 1 milhão de euros em pesquisas para dar início à criação de fazendas de insetos.

Fazenda de algas – O arquiteto canadense Jakub Dzamba, da Universidade McGill, tem seu próprio projeto de fazenda. E ela produz em larga escala, 24 horas por dia, não só insetos, como também algas e outros microorganismos comestíveis. A Fazenda do Terceiro Milênio, como ele chama a iniciativa, vai usar parte dos dejetos produzidos pelas cidades para criar animais comestíveis. “Os insetos têm sangue frio, e por isso mesmo podem usar todo alimento que consomem para aumentar de tamanho [eles não perdem energia aquecendo seus corpos]. Além disso, são capazes de se alimentar de basicamente qualquer coisa”, afirma Dzamba. “Nós já comemos algas, mas elas poderão ser produzidas em larga escala e disseminadas em saladas.” Além disso, pesquisadores da Universidade Sheffield Hallam, na Inglaterra, já desenvolveram versões em pó, que substituem o sal em alimentos processados.

É fácil de imaginar bufês de saladas de algas disseminados pelos restaurantes do mundo todo. Mas o consumidor ocidental dificilmente vai querer mastigar gafanhotos. Para vencer esta resistência, os holandeses estudam usar insetos como base para produzir carne processada, como hambúrgueres e almôndegas. E também adotá-los como base para enriquecer alimentos do dia a dia, como pães, massas e bolos produzidos com farinha feita de grilos.

Uma coisa é certa: pouca gente vai ter dinheiro para comer diariamente grandes nacos de carne, como aqueles das nossas churrascarias. A carne processada vai dominar os pratos das pessoas. Estes hambúrgueres, almôndegas, nuggets, salsichas e linguiças poderão vir de boas imitações de carne. Ou de insetos. Ou da carne desenvolvida in vitro: uma cultura de células-tronco vai ser capaz de se reproduzir até formar um alimento igual aos que conhecemos hoje.

Hambúrguer de 325.000 dólares – Finalmente, depois de décadas de pesquisas e anos de expectativas, tudo indica que, ainda em 2013, a carne de laboratório vai se tornar realidade. O conceito é simples: produzir bifes a partir de células animais desenvolvidas in vitro. Na prática, chegar à carne sem a necessidade de criar e matar gado é uma tarefa difícil. A massa de células cresce, mas fica com a forma de uma gelatina. “É muito difícil dar à carne a estrutura que conhecemos. Ela é uma combinação complexa de tecidos, ligamentos, músculos e gordura”, diz o geneticista Stig Omholt, diretor do Centro de Genética Interativa da Universidade de Ciências Sociais da Noruega, que pesquisa o assunto há 15 anos. “Aparentemente, Mark Post conseguiu, ou está muito perto disso”.

Chefe do Departamento de Fisiologia da Universidade Maastricht, na Holanda, Post promete apresentar em Londres, nas próximas semanas, seu hambúrguer de laboratório, composto por 20.000 tiras finas de músculos. Por enquanto, um simples hambúrguer de 140 gramas vai sair pela bagatela de 325.000 dólares – o custo total necessário para sua produção. O preço deve cair à medida que os resultados do professor sejam reproduzidos e a indústria alimentícia se decida por aumentar os investimentos no setor. Vale a pena: a carne in vitro representaria, de acordo com um estudo da Universidade Oxford, menos 35% a 60% de demanda por energia. Os laboratórios só usariam 2% das terras usadas por fazendas e emitiriam de 80% a 95% menos gases causadores do efeito estufa.

Para alcançar a consistência de bife, Gabor Forgacs, pesquisador da Universidade de Missouri, fundou a Modern Meadow, uma startup que está tentando desenvolver um suporte viável para as células animais usando impressoras 3D. Os resultados concretos não são esperados para esta década – primeiro, Forgacs pretende criar couro em laboratório.

A ciência também está sendo aplicada em outras frentes. A engenharia genética e a nanotecnologia prometem mudar a cor, o tamanho e os nutrientes de alimentos que conhecemos bem. E as impressoras 3D vão dar um sentido totalmente novo ao ato de cozinhar.

Impressora na cozinha – Vários alimentos que prometem compor o prato do futuro estão em desenvolvimento. Uma equipe de pesquisadores americanos e israelenses já produziu tomates com aroma de limão. Israel, aliás, é um polo de desenvolvimento: os fazendeiros de lá já criaram pimentões com três vezes mais vitaminas, cenouras que se parecem batatas e bananas geneticamente modificadas para ficarem azuis – elas têm mais potássio, e a cor inusitada não tem objetivo algum, a não ser atrair os clientes mais curiosos e corajosos. Na Inglaterra, pesquisadores do Centro John Innes desenvolveram tomates roxos, geneticamente modificados para ter o dobro de antioxidantes e ajudar na prevenção de câncer.

Em outra frente, nanopartículas aplicadas em sementes podem acusar se o alimento está contaminado por bactérias e matá-las. Quando em contato com a língua, também serão capazes de bloquear ou reforçar sabores. “Podemos imaginar maracujás muito mais doces, sem a sensação de azedo. Ou exatamente o contrário, dependendo da vontade do cliente”, afirma Christophe Pelletier. Na forma de embalagens, também podem preservar os nutrientes por mais tempo e, com isso, reduzir a necessidade de agrotóxicos durante o plantio.

O preparo dos alimentos também vai mudar. E ficar mais parecido com a cozinha dos Jetsons, desenho criado na década de 60 que retratava uma família futurista e no qual a comida era produzida por computadores – a mãe só precisava perfurar cartões (algo não muito futurístico) para fazer a encomenda para a máquina. A Nasa está investindo no projeto do engenheiro mecânico Anjan Contractor, que está desenvolvendo formas de transformar carboidratos, proteínas e nutrientes em pós, que poderão ser misturados de acordo com o gosto do cliente. Seria prático para os astronautas, que poderiam comer pizza no espaço, e também para as residências: pessoas de idade ou com dificuldade de locomoção, por exemplo, poderiam cozinhar sem esforço.

Segundo a Business Week, a rede americana de fast food Taco Bell deixou de lado a palavra carne em seus novos pratos, substituindo-a simplesmente por “proteína”. Uma forma de se antecipar ao advento da carne sintetizada? O futuro previsto em Os Jetsons ainda não chegou, mas parece cada dia mais próximo.