Mauricio Lima Radar on-line

Radar on-line

Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Severino Motta e Pedro de Carvalho

sobre

O Radar publica informações exclusivas e bastidores de tudo o que for relevante. Da política à economia; do esporte à área cultural; do mundo dos negócios à segurança pública – tudo cabe neste espaço, desde que seja uma informação confiável e inédita.

E-books lá e aqui

Por: Lauro Jardim

Enquanto nos EUA, os e-books já desbancam os livros impressos em alguns segmentos, por aqui a coisa ainda não deslanchou. Um exemplo: 1822, de Laurentino Gomes, é o e-book de autor nacional mais vendido pela Amazon. Um sucesso nunca visto que, no entanto, não passou de 1 500 exemplares. Algo como metade de uma tiragem inicial de um livro no Brasil.

Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

  1. Alessandro

    @Márcio Alcântara,
    Claro que sim! E o autor iria viver de brisas?

  2. Alessandro

    Talvez o preço e o DRM expliquem o fenômeno. Comprar e-book brasileiro é caro e complicado para quem está fora do Brasil.

  3. PEDRO BH/MG

    A Constituição Federal garante imunidade tributária sobre jornais e livros. Lógico, em 1988 não existia essa tecnologia. Não era hora de conceder imunidade tribatária para os leitores de livros e tablets? O modo como consumimos informação mudou e temos que ampliar a imunidade para esses instrumentos. Somente assim, com a redução tributária e a redução do preço, esses meios de consumir livros e informação irá pegar no Brasil.

  4. Márcio Alcântara

    E-book, no Brasil, só deslancharia se fosse gratuíto.

  5. Luís Felipe Nunes Borduam

    Um dia ainda vou entender porque só importamos os maus hábitos!

  6. eduardo

    basta comparar os preços entre as versões impressas e eletrônicas para saber o motivo, e isso sem falar no preço dos e-readers.