Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Aos 96 anos, Hélio Bicudo morreu cedo demais

O grande jurista entendeu que o partido que fundou se havia transformado numa organização criminosa

Por Da Redação - 1 ago 2018, 16h46

Hélio Bicudo sempre viu as coisas como as coisas são, e nunca lhe faltou coragem para contar o caso como o caso foi. Nos anos 70, enfrentou o grupo de extermínio formado por policiais liderados pelo delegado Sérgio Fleury, que ingressaria na história universal da infâmia como um dos mais ferozes torturadores a serviço de militares ultradireitistas.

Em 2005, abandonou o Partido dos Trabalhadores (PT), enojado com a constatação de que o partido que ajudou a fundar se transformara numa organização criminosa. Ao comandar a ofensiva que resultou no impeachment de Dilma Rousseff, Bicudo deixou claro que, além de deixar o PT, também fizera com que o PT saísse dele.

Morto aos 96 anos, Hélio Bicudo pertence à linhagem dos homens que sempre parecem ter partido cedo demais.

 

Publicidade

 

Publicidade
Publicidade