Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Instagram remove postagens favoráveis ao general iraniano morto pelos EUA

A medida faz parte das sanções aplicadas por Trump, e que renderiam multas ao Instagram se não cumpridas

Por Da Redação - 13 jan 2020, 17h52

O Instagram está removendo postagens de apoio ao general Qassem Soleimani, líder militar iraniano que foi morto por um ataque americano em 3 de janeiro. As ações do Instagram foram identificadas pela primeira vez pela organização de notícias sem fins lucrativos Coda.

Contas que postaram mensagens de vingança, ou apenas de simples solidariedade, a Soleimani foram suspensas temporariamente, ou tiveram no mínimo essas publicações deletadas. Vários perfis antes banidos já voltaram ao ar, mas sem os textos originais. O Instagram é um dos poucos serviços ocidentais de redes sociais que opera normalmente no Irã.

Em declarações às duas organizações de notícias, o Instagram, de propriedade do Facebook, disse que estava retirando as postagens para cumprir as leis de sanções dos EUA. Soleimani era um líder da Guarda Revolucionária Islâmica (GRI), um ramo das forças armadas iranianas que os EUA acusaram de treinar e financiar grupos como o Hamas e o Hezbollah.

“Analisamos o conteúdo de acordo com nossas políticas e obrigações com as leis de sanções dos EUA, e especificamente aquelas relacionadas à designação do GRI pelo governo dos EUA e sua liderança como organização terrorista”, disse o Facebook em um comunicado.

Publicidade

Já as autoridades do Irã consideram a atitude do Facebook, proprietário do Instagram, como uma forma de censura de conteúdo. O porta-voz do governo local, Ali Rabiei, comentou o caso em seu perfil no Twitter e chamou o ato de “não democrático” por “bloquear vozes inocentes que protestavam contra o assassinato do general”, enquanto “terroristas de verdade têm voz ativa”.

Publicidade