Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Uma em cada cinco vítimas de acidente de trânsito atendidas pelo SUS ingeriu álcool

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, bebida alcoólica também influencia atendimentos de emergência por agressões físicas

Uma em cada cinco vítimas de acidente de trânsito que buscam atendimento de emergência pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ingeriu bebida alcoólica antes de chegar à unidade. Foi o que apontou um novo levantamento do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira. O estudo mostrou ainda que o álcool tem outros impactos significativos nos atendimentos de urgência dos hospitais públicos. De acordo com o trabalho, quase metade dos pacientes atendidos em hospitais do SUS que sofreram alguma agressão física bebeu antes do atendimento.

Esses dados fazem parte do VIVA (Vigilância de Violências e Acidentes), estudo feito pela Secretaria de Vigilância em Saúde em 71 hospitais que realizam atendimentos de urgência e emergência pelo SUS. Ao todo, foram ouvidas 47.000 pessoas em todas as capitais do país e no Distrito Federal. Os dados foram coletados em 2011 e analisados no ano passado.

Segundo o levantamento, entre as vítimas de acidente de trânsito atendidas em hospitais do SUS em 2011, 22,3% dos condutores, 21,4% dos pedestres e 17,7% dos passageiros do veículo apresentavam sinais de embriaguez ou assumiram ter consumido álcool antes do acidente. Entre esses pacientes, 39,9% tinham de 20 a 39 anos de idade – a faixa etária mais prevalente nesses casos.

Essa idade também foi a mais comum (56%) entre as pessoas que procuraram uma unidade de urgência ou emergência do SUS devido a uma agressão física em 2011. Nesse ano, 8.352 homens com idade entre 20 a 39 anos foram assassinados e 16.460 morreram em acidente de trânsito – número que corresponde a quase metade dos óbitos totais registrados nessa faixa etária em 2011.

Os dados do estudo mostram que o consumo de álcool é mais elevado entre pacientes do sexo masculino. Entre os homens que procuraram atendimento emergencial no SUS em 2011, 54,3% dos que sofreram violência física e 24,9% dos que estiveram envolvidos em acidente de trânsito tinham ingerido bebida alcoólica. Essa prevalência entre as mulheres foi de 31,5% e 10,2%, respectivamente.

Recuperação lenta – Ainda segundo o estudo, a bebida alcóolica parece ser um fator negativo para a recuperação dos pacientes de unidades de emergência e está ligada a casos mais graves de acidentes e agressões. Das pessoas que foram atendidas em unidades do SUS em 2011 e que não haviam ingerido álcool, 72,3% receberam alta logo após o atendimento. Entre indivíduos que haviam bebido, esse número foi de 66,2%. “Quando olhamos para os números de internação, acontece o contrário: bem mais pessoas que tinham ingerido bebida alcoólica (24,9%) têm como desfecho a hospitalização, comparado com quem não consumiu bebida alcoólica (14,8%)”, disse Jarbas Barbosa, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, durante a apresentação dos dados.

“As informações apresentadas têm papel decisivo para que tenhamos, nós e todos os demais órgãos federais, estaduais e municipais, mais segurança para agir. Também vamos utilizá-las em nossas campanhas de conscientização de motoristas, passageiros e pedestres”, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.