Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Stent pode diminuir sequelas do derrame, diz estudo

Pesquisa holandesa constatou que o risco de sequelas são menores em pacientes que se submetem ao procedimento de remoção de coágulos

O uso do stent pode ser um tratamento eficaz nos casos graves de AVC isquêmico, aqueles causados por um coágulo que obstrui uma artéria cerebral, e evitar as sequelas do derrame. Uma pesquisa holandesa publicada na quarta-feira no periódico The New England Journal of Medicine afirma que essa técnica de cirurgia endovascular pode salvar o tecido cerebral do paciente, permitindo que muitos tenham uma vida independente depois do AVC.

Opinião do especialista

Álvaro Pentagna

Neurologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, em São Paulo.

Este não é o primeiro estudo a analisar a eficácia das técnicas endovasculares para a remoção de um coágulo cerebral. Mas é o primeiro a demonstrar resultados satisfatórios, provavelmente por ter sido feito na Holanda, um país pequeno e com boa infraestrutura de saúde.

A técnica já é utilizada em hospitais para pacientes que chegam entre 4h30 e 6h depois dos primeiros sintomas do AVC. Trata-se, porém, de um procedimento caro, que não está disponível na maioria dos hospitais brasileiros por falta de recursos e equipe. Além disso, o paciente tem que ser socorrido rapidamente, o que não acontece na maioria dos casos.

O stent é um pequeno tubo, geralmente metálico, que é introduzido na artéria obstruída por meio de um cateter e auxilia na remoção do coágulo causador do derrame.

Leia também:

Stent bioabsorvível passa a ser usado em cirurgia cardíaca

​Pesquisa brasileira facilita cuidados após implante de stent

Participaram do estudo 500 pacientes que sofreram de um derrame. Cerca de 90% deles fizeram o tratamento convencional com remédios trombolíticos, que desfazem o coágulo. Dos que tomaram a droga, metade também foi submetida a um segundo tratamento, como a cirurgia endovascular, até seis horas depois de ocorrer o AVC.

Os pesquisadores constataram que um em cada cinco pacientes que apenas tomou o trombolítico conseguiu ter uma vida normal depois do derrame. Já entre aqueles que foram submetidos ao procedimento cirúrgico, um em três seguiu a vida normalmente depois do derrame.

“Nossos resultados mostram que os pacientes com AVC isquêmico têm um maior benefício no que diz respeito à recuperação funcional quando o tratamento intra-arterial é feito até 6 horas após o derrame acontecer”, dizem os autores.