Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Como o smartphone pode contribuir para o ganho de peso

Um novo estudo mostrou que passar mais de 5 horas no celular eleva risco de obesidade em 43%

O uso excessivo de smartphones e outros dispositivos eletrônicos já vem sendo associado a inúmeros problemas de saúde física e mental. Agora, novo estudo acrescenta mais um item à lista: obesidade. De acordo com os pesquisadores da Universidade Simón Bolívar, na Colômbia, indivíduos jovens que passam cinco ou mais horas diárias usando o celular estão 43% mais propensos a se tornarem obesos. O risco é ainda maior para as mulheres: elas apresentam o dobro do risco de ficar com excesso de peso em comparação com os homens.

Os dados revelaram que 25% das pessoas acima do peso e 5% das obesas costumam utilizar o celular por muito tempo. A pesquisa ainda sugere que indivíduos que usam o celular de forma excessiva estão duas vezes mais propensos a ingerir bebidas açucaradas, como refrigerante, fast-food e doces. Além disso, eles apresentam menor propensão a se exercitar. Esses comportamentos estão relacionados ao desenvolvimento de obesidade.

Gastar muito tempo na frente de um smartphone facilita o comportamento sedentário, reduz o tempo de atividade física, o que aumenta o risco de morte prematura, diabetes, doenças cardíacas, diferentes tipos de câncer, desconforto osteoarticular e sintomas musculoesqueléticos”, explicou Mirary Mantilla-Morrón, principal autor do estudo, ao Daily Mail

Para chegar a esta conclusão, a equipe da Universidade Simón Bolívar, na Colômbia, rastreou o uso diário do smartphone de 1.000 estudantes universitários (homens e mulheres) entre junho e dezembro de 2018. Os resultados da pesquisa foram apresentados na Conferência Latino Americana da Sociedade Americana de Cardiologia, que acontece esta semana em Cartagena, na Colômbia.

Celular e obesidade

Estudo anterior da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, já havia descoberto que adolescentes que passam mais de cinco horas por dia usando dispositivos eletrônicos apresentam risco 40% maior de serem obesos, além de estarem duas vezes mais propensos a ingerir bebidas açucaradas diariamente. Outro estudo, da Universidade Rice, nos Estados Unidos, revelou que fazer diversas atividades no celular ao mesmo tempo (multitarefa) reduz o autocontrole em relação ao consumo de fast-food. 

“Os resultados do novo estudo nos permite destacar uma das principais causas de obesidade, que é um fator de risco para doenças cardiovasculares”, disse Mantilla-Morrón. 

Obesidade no Brasil

Enquanto o novo estudo evidencia mais um fator de risco para obesidade, pesquisa publicada esta semana indica que 55% dos brasileiros estão acima do peso. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico 2018 (Vigitel), o aumento da obesidade foi maior entre a população adulta de 25 a 44 anos. Já o excesso de peso é maior entre indivíduos jovens, de 18 a 24 anos. Esses números poderiam ser parcialmente explicados pelas novas descobertas.

Como fugir da obesidade?

A solução para fugir da obesidade e do excesso de peso é praticar atividade física — a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda 150 minutos por semana. Ou seja, menos de 25 minutos por dia.

Além disso, é necessário ter uma alimentação balanceada que inclua pelo menos 400 gramas diárias de frutas e legumes, manter o consumo de carne vermelha em 300 a 500 gramas por semana — e de preferência optar pela carne branca, como frango e peixe.

É válido consumir 25 gramas diárias de fibras, que podem ser encontradas em alimentos como aveia, feijão, linhaça e arroz, por exemplo. Também vale cortar ao máximo o consumo de produtos processados e ultraprocessados, incluindo fast-food.