Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pegar gripe após tomar a vacina é mito. Entenda por quê

O medo de ficar gripado após a imunização é um dos principais motivos que fazem as pessoas não se vacinarem

Por Carolina Melo Atualizado em 17 mar 2021, 17h44 - Publicado em 10 Maio 2015, 20h19

O Ministério da Saúde realizou campanhas em vários Estados neste sábado, “o dia D” da vacina da gripe, em uma tentativa de fazer com que até o fim do programa 80% das pessoas sejam imunizadas — o equivalente a 50 milhões de pessoas. O governo sabe que atingir a meta não é simples. Em 2014, a campanha de vacinação teve de ser prolongada porque apenas 53% das pessoas pertencentes aos grupos alvos haviam tomado a vacina — o equivalente a cerca de 21,3 milhões de brasileiros.

Um dos principais motivos para a baixa adesão é a falta de conhecimento sobre a imunização. Muitos temem que, ao receber a vacina, irão contrair o vírus da gripe. O medo existe porque, após a administração da vacina, algumas pessoas apresentam alguns sintomas da gripe, como mal-estar e febre. Isso ocorre com 5% das pessoas imunizadas. Trata-se, no entanto, de uma resposta imunológica sem riscos. É uma ação dos anticorpos do organismo ao vírus. Não é gripe. “A vacina é segura e o medo de ficar doente em decorrência da imunização é uma bobagem”, diz o infectologista Artur Timerman, do Hospital Edmundo Vasconcelos, em São Paulo. “A vacina simplesmente é composta de vírus morto.”

As vacinas são fabricadas a partir do próprio agente da infecção — vírus ou bactéria. Ela pode ser produzida com o microorganismo inativado, atenuado ou morto, como é o caso da vacina da gripe.

A vacina contra gripe é indicada principalmente para crianças, adultos com mais de 60 anos e pessoas com problemas de saúde como diabetes, doenças cardíacas e renais e pacientes que estão se submetendo à quimioterapia. “A imunização é importante não apenas para prevenir a gripe como também para evitar complicações associadas à doença, como pneumonia”, diz Artur Timerman. O Ministério da Saúde distribuiu 54 milhões de doses que serão oferecidas pela rede pública ao grupo prioritário até o dia 22 de maio.

Para receber a dose, é importante levar o cartão de vacinação e o documento de identificação. As pessoas com doenças crônicas, ou com outras condições clínicas especiais, também precisam apresentar prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. Pacientes cadastrados em programas de controle no SUS deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)