Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Onipresença de luzes artificiais está cobrando preço alto para a saúde

O conselho a quem vai se deitar é: melhor ler um livro do que ficar no celular

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 10h11 - Publicado em 3 nov 2023, 06h00

Poucos anos após a virada do milênio, o Sol mudou de status dentro da saúde pública. Apesar dos efeitos deletérios da exposição excessiva, descobertos em meados do século XX, ficar quinze minutinhos ao ar livre em períodos menos intensos de radiação passou a ser mandatório para a manutenção dos níveis de vitamina D, um hormônio essencial para os ossos, os músculos e a imunidade. Desde então, a claridade passou a ser reverenciada, com uma lista crescente de ganhos associados, essencialmente ao bem-estar e à produtividade. Lâmpadas mais brancas invadiram as casas e os escritórios e telas brilhantes tomaram conta de todos os momentos da rotina.

Mas elas estão longe de simular os poderes do Sol. E tal onipresença de luzes artificiais, hoje reluzentes em relógios inteligentes, celulares e TVs, está cobrando um preço, especialmente no período noturno. O maior estudo realizado sobre o tema até agora contou com mais de 86 000 participantes e comprova que esse efeito pernicioso sobretudo sobre a saúde mental é ainda maior do que se acreditava. De acordo com a investigação, publicada na renomada Nature Mental Health, a exposição exagerada à noite aumenta o risco de desordens e complicações psiquiátricas.

Para efeito de comparação, enquanto a alta exposição à claridade durante o dia diminuiu em 20% o risco de depressão, quantidades parecidas durante o período noturno aumentaram em 30% a chance de desenvolvimento dessa doença. Algo parecido foi obser­va­do para automutilação, psicose, transtorno bipolar, transtorno de ansiedade generalizada e transtorno de estresse pós-traumático — isso tudo independentemente de fatores importantes, como prática de exercícios físicos, quantidade de sono e estação do ano. Com base nesses achados, o conselho a quem vai se deitar é: melhor ler um livro do que ficar no celular.

Publicado em VEJA de 3 de novembro de 2023, edição nº 2866

Leia mais notícias sobre saúde no site de VEJA.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.