Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O estilo natural das sobrancelhas está na moda

A tendência já vinha de antes, mas a quarentena consagrou entre as mulheres a sobrancelha grossa, com pelos fartos e levemente penteados para cima

Por Mariana Rosário Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 11 ago 2020, 10h23 - Publicado em 7 ago 2020, 06h00

Vem de longe, muito antes das máscaras cirúrgicas em tempos de pandemia, que privilegiam a porção superior da face, o fascínio pelas sobrancelhas. Finíssimas ou grossas, harmoniosas ou não, elas ajudam a contar capítulos decisivos da história da beleza feminina. É o que ocorre neste inesperado 2020. A novidade: adeus a intervenções exageradas nos fios, com retirada total ou parcial da penugem e a aplicação de desenhos falsos com lápis e sombra.

A dificuldade em visitar salões de beleza e uma bem-vinda e romântica louvação aos benefícios da passagem do tempo no organismo impõem, agora, um estilo, digamos, natural. É o que brota e se espalha pelas redes sociais, e onde mais poderia ser? “As mulheres foram obrigadas a lidar com perfis de beleza originais e gostaram disso”, diz o maquiador Rodrigo Costa, responsável pelo visual de artistas como a apresentadora Sabrina Sato e a atriz Marina Ruy Barbosa.

Natural, mas nem tanto assim. A rebeldia dos fios é controlada com uma escovinha, semelhante à utilizada para aplicar rímel. A ferramenta é embebida em uma mistura na forma de spray com produtos para fixar maquiagem e sabonetes. A técnica, que leva o nome de soap brow (do inglês, sobrancelha de sabão), ganhou o mundo a partir de rostos belíssimos do showbiz, como o da cantora britânica Dua Lipa e o da atriz americana Madelaine Petsch, da série Riverdale.

Contudo, como na moda a lei de Lavoisier é quem manda, porque nada se cria e tudo se transforma, o atual movimento bebe do passado. É uma versão do estilo difundido na década de 80, cuja garota-propaganda mais celebrada e estonteante foi a atriz americana Brooke Shields (veja no quadro ao lado). A aparência que dava o tom à época era marcada pela bagunça acima dos olhos, praticamente sem intervenções, símbolo de uma geração de mulheres que começava a incluir peças masculinas no guarda-roupa, sem medo de perder a feminilidade. E a sobrancelha era quase um manifesto estético, como sempre.

Continua após a publicidade

Nos anos 1920, entre uma Guerra Mundial e outra, quando tudo o que se desejava era brilhar, o raciocínio era o seguinte: quanto mais chamativa a adaptação da sobrancelha, melhor. “As femmes fatales as usavam muito finas, para parecer sensuais. Falava-se que as mulheres eram capazes de seduzir um homem apenas com o olhar ”, diz João Braga, professor de história da moda na Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), de São Paulo.

O jogo da hora não é mais o da sedução. É o da afirmação, cuja arma mais letal é a simplicidade. Com uma vantagem: a naturalidade autoriza toda mulher a mexer na aparência quando e como quiser. “Mudanças permanentes não são boa ideia porque as sobrancelhas datam em muito pouco tempo”, alerta Braga. O desenho livre, leve e solto, portanto, tem tudo para permanecer — até que outro o desbanque. Vale seguir o comentário de Angelina Jolie: “Estou com uma ruga acima da sobrancelha porque simplesmente não consigo parar de levantá-la e adoro que você saiba”.

Publicado em VEJA de 12 de agosto de 2020, edição nº 2699

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.