Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Criador de ‘The Umbrella Academy’ se defende de acusação de antissemitismo

Vilã da produção fala iídiche, idioma usado por judeus asquenazes, o que levantou críticas nas redes

Por Eduardo F. Filho 6 ago 2020, 18h06

O criador da série da Netflix The Umbrella Academy, Steve Blackman, se posicionou sobre a acusação de que a série traria uma mensagem antissemita. Segundo ele, que é judeu, a denúncia é “dolorosa” e “incorreta”. A segunda temporada da série de fantasia chegou ao streaming na sexta-feira, 31, e provocou uma onda de críticas por causa de sua vilã, interpretada por Kate Walsh. Na trama, The Handler, personagem de Kate, é chefe de uma poderosa organização corrupta que controla o tempo do mundo. Em algumas cenas, ela fala iídiche, idioma utilizado por judeus asquenazes.

“Eu escrevi esses episódios, criei a personagem e sou judeu. Embora entenda que o público às vezes receba as coisas de uma maneira diferente da que os criadores pretendem, a Handler não foi criada como uma personagem antissemita. Ela fala todos os idiomas, incluindo sueco, mandarim, iídiche e inglês, como vimos nesta temporada”, disse Blackman.

The Handler já havia usado o dialeto na primeira temporada, o que fez o conselho de deputados britânicos judeus na época escrever uma carta aberta contra a série: “O uso de um ditado em iídiche pelo chefe maligno de uma organização que controla a linha do tempo do mundo é claramente um tropeço antissemita”, escreveu Amanda Bowman, vice-presidente do conselho.

O criador da série também respondeu essa carta, dizendo que a organização não é maligna, “eles não controlam finanças, governos ou imprensa. A única coisa que eles controlam — e, mais importante, protegem — é a linha do tempo fictícia do universo de Umbrella Academy“, encerrou Steve Blackman.

 

Confira o posicionamento completo do criador da série:

“A acusação de antissemitismo em The Umbrella Academy é dolorosa e, mais importante, incorreta. Eu escrevi esses episódios, criei a personagem e sou judeu. Embora entenda que o público às vezes receba as coisas de uma maneira diferente da que os criadores pretendem, a Handler não foi criada como uma personagem antissemita. Ela fala todos os idiomas, incluindo sueco, mandarim, iídiche e inglês, como vimos nesta temporada, e a Comissão não é uma organização maligna; eles não controlam finanças, governos ou imprensa. A única coisa que eles controlam – e, mais importante, protegem – é a linha do tempo fictícia do universo de Umbrella Academy”. – Steve Blackman.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)