Clique e assine com 88% de desconto

EUA aprovam adesivo corporal para tratar enxaqueca

Produto, que libera um medicamento frequentemente utilizado no combate às dores de cabeça, é uma solução para pessoas que sofrem de enxaquecas acompanhadas de náuseas. Mas o preço pode ser um empecilho: 90 dólares

Por Vivian Carrer Elias - Atualizado em 31 out 2017, 11h46 - Publicado em 23 jan 2013, 16h53

Um adesivo corporal (patch) utilizado para o tratamento de enxaquecas acaba de ser aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA), órgão de saúde americano que regula alimentos e medicamentos. O Zecuity, produzido pela empresa NuPathe, funciona com uma bateria e libera no organismo do paciente a substância sumatriptano, um medicamento frequentemente receitado a pacientes que sofrem de fortes dores de cabeça. O adesivo recebeu aval da agência americana em 17 de janeiro e espera-se que ele passe a ser comercializado no país entre outubro e dezembro deste ano.

O sumatriptano foi o primeiro medicamento desenvolvido especificamente para tratar a enxaqueca e até hoje é indicado pelos médicos a pacientes que têm o problema. Ele é eficaz em reduzir sintomas da condição que, além das fortes dores de cabeça, incluem enjoos e sensibilidade à luz ou a sons. Embora a droga em si não seja uma novidade, disponibilizá-la em forma de adesivo elimina a absorção da substância pelo sistema digestivo e, portanto, é uma solução para as pessoas que sofrem de enxaqueca acompanhada de náuseas, um dos sinais mais comuns das crises.

“É normal que, com a enxaqueca, o indivíduo apresente sintomas gástricos. A velocidade do esvaziamento do estômago em direção ao intestino pode diminuir e, com isso, a absorção de medicamentos orais torna-se mais difícil. Além disso, o paciente com esses sintomas eventualmente vomita, o que dificulta ainda mais que esses remédios sejam absorvidos e façam efeito. O adesivo faz com que essa intolerância gástrica seja superada, e esse é o seu principal benefício”, disse ao site de VEJA Tarso Adoni, neurologista do Hospital Sírio-Libanês.

Como funciona – De acordo com informações sobre o Zecuity disponibilizadas pelo FDA, o adesivo deve ser colado sobre a perna ou o braço. O paciente, então, precisa apertar um botão para que o medicamento seja fornecido ao organismo – são 6,5 miligramas de sumatriptano liberados ao longo de aproximadamente cinco horas. Uma luz acende quando o adesivo começa a funcionar e se apaga quando a substância chega ao fim.

Publicidade

Apesar de o adesivo fornecer sumatriptano ao organismo do paciente ao longo de cinco horas, o efeito na dor de cabeça é muito mais rápido, segundo Adoni. “Os estudos com o produto mostram que na pele ele leva de 20 a 30 minutos para trazer benefício”, disse o neurologista. O produto, portanto, é indicado para eliminar os sintomas da enxaqueca, e não para prevenir o problema ou reduzir a sua frequência.

Comprovação – O FDA aprovou o adesivo a partir dos resultados de um estudo feito com 800 pacientes. Nele, 18% das pessoas que utilizaram o Zecuity não sentiram mais nenhuma dor de cabeça após duas horas e 50% afirmaram que as dores diminuíram – entre os pacientes que usaram um adesivo contendo placebo, essas taxas foram de 9% e 29%, respectivamente. Além disso, o adesivo contendo sumatriptano aliviou as náuseas em 84% dos indivíduos que usaram o produto. A melhora ocorreu em 63% dentre aqueles que receberam placebo.

Os efeitos colaterais mais comuns do Zecuity foram dores, formigamentos e desconforto no local da aplicação. As informações sobre o adesivo ressaltam que pacientes com histórico de doenças cardíacas não devem fazer uso do patch.

Segundo Tarso Adoni, um ponto negativo do adesivo é o seu alto custo. “Os médicos acreditam que ele entrará no mercado americano a um preço de 90 dólares cada”. Ou seja, caso o produto chegue no Brasil – o que pode acontecer somente a partir de 2014, segundo o neurologista -, poderá custar quase 200 reais para que apenas uma crise de enxaqueca seja aliviada, já que os adesivos não são reaproveitados.

Publicidade

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Brasil possui medicamentos orais à base de sumatriptano, mas ainda não há nenhum pedido de autorização de adesivos contendo a substância.

Leia também:

Novos remédios para a dor de cabeça incluem até adesivo com minicomputador

Estudo brasileiro revela nova forma de prevenir enxaquecas

Publicidade

Tratamento com botox para dor de cabeça ajuda pacientes com enxaqueca crônica

Nova abordagem reduz em até 37% dores em pacientes com enxaqueca crônica

Publicidade