Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Epidemia de bactéria que devora carne humana preocupa médicos

O aumento de 400% nos últimos 4 anos no número de casos de úlcera de Buruli, na região da Victoria, na Austrália, intriga especialistas locais

A epidemia de casos de úlcera de Buruli, causada por uma bactéria comedora de carne humana, no Estado de Victoria, na Austrália, preocupa médicos locais. A doença é comum em áreas tropicais, por isso o aumento de 400% nos últimos quatro anos, em uma região de clima temperado, como Victoria, intriga especialistas.

Até alguns anos atrás, as infecções eram mais comumente relatadas em áreas tropicais em Queensland, com casos ocasionais em outros Estados. Mas, somente no ano passado, foram registradas 275 novas infecções no Estado de Victoria, o que representa um aumento de 51% em relação a 2016.

Em um artigo publicado no periódico científico Medical Journal of Australia, médicos locais pediram financiamento do governo para pesquisar a doença e suas causas. “Ninguém entende o que está acontecendo e o que está motivando esta epidemia. Podemos oferecer pistas, mas não um parecer definitivo. É um mistério.”, disse Daniel O’Brien, especialista em doenças infecciosas e coautor da publicação, à BBC.

Hipóteses: chuva, tipo de solo e vida selvagem

Em países em desenvolvimento, a doença está associada a áreas úmidas e água parada, no entanto, na Austrália, os casos foram amplamente reportados em regiões costeiras. De acordo com o artigo, são registrados cerca de 2.000 casos da doença por ano, ao redor do mundo

Segundo O’Brien, algumas teorias para a disseminação da doença no país envolvem fatores como chuva, tipo de solo e vida selvagem. No ano passado, as autoridades encontraram vestígios da bactéria em fezes de possum, um tipo de marsupial, animal da família dos gambás.

“O problema é que não temos tempo para sentar e pontificar sobre isso – a epidemia atingiu proporções assustadoras”, afirma o médico.

Sem prevenção e com casos mais graves

Para piorar a situação, os médicos não sabem como prevenir a doença, que é causada pela bactéria Mycobacterium ulcerans, que destrói os tecidos. A infecção aparece como um pequeno caroço vermelho, parecido com uma espinha ou picada de inseto. Conforme o tempo vai passando, esse caroço aumenta gradualmente, podendo causar lesões destrutivas.

“A bactéria lentamente devora a pele e o tecido até ser tratada. Quanto mais tempo você deixa, pior fica. É uma infecção progressiva e destrutiva.”, explicou O’Brien à BBC.

Qualquer pessoa está susceptível à doença, que geralmente infecta os braços e pernas. Em comparação com outros tipos de bactérias devoradoras de carne, a úlcera de Buruli não é considerada a mais agressiva, embora o micro-organismo tenha a capacidade de devorar um membro inteiro.

O tratamento envolve uma combinação de antibióticos e tem 100% de eficácia. No entanto, as pessoas demoram para saber que estão infectadas, já que os primeiros sintomas podem levar até seis meses para aparecerem.

As úlceras são difíceis de curar e os pacientes muitas vezes experimentam um período de recuperação entre seis e 12 meses. Muitos precisam ser submetidos a cirurgias reconstrutivas, para minimizar os danos causados pelo parasita. Segundo o especialista, os casos também se tornaram “assustadoramente mais comuns e mais severos”.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Um bom artigo, gostei dele.

    Porém está mal-traduzido, com certeza sem revisão. Achei erros primários de gramática.

    Curtir

  2. Cristiana Lopes

    A quantidade de erros é inadmissível para uma revista desse porte. Mais atenção para as correões e publicações de seus textos, Veja

    Curtir

  3. Espancador de PeTralha

    “bactérias devoradoras de carne” …. “de devorar um membro inteiro”

    Sério mesmo que li um reportagem em mídia de projeção nacional, com essa fraseologia????????
    quem devora carne é gordinho em churrascaria
    Edição, vamos melhorar isso ai né.

    Daqui a pouco veremos “mosquitos comedores de gente chupadores de sangue humano”
    ainda bem que não assino mais…

    Curtir