Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Criança de 3 anos tem suspeita de poliomielite no Pará. Governo investiga

Poliovírus foi identificado nas fezes do paciente. Secretaria da Saúde diz que outras hipóteses, como Síndrome de Guillain Barré, não foram descartadas

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 7 out 2022, 08h21 - Publicado em 6 out 2022, 15h54

Uma criança de 3 anos com paralisia testou positivo para o poliovírus, que causa a poliomielite. A ocorrência está sendo investigada pela Secretaria de Estado da Saúde do Pará (Sespa), que trata como “caso suspeito”.

De acordo com um relatório de Comunicação de Risco divulgado pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde – CIEVS/SESPA, a criança teve o vírus identificado por análise de isolamento viral de fezes. O documento, porém, informou que o caso segue em investigação, já que “outras hipóteses diagnósticas não foram descartadas, como Síndrome de Guillain Barré, conforme o que é preconizado no Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde”.

O menino reside no município de Santo Antônio do Tauá, no interior do estado do Pará. Ele começou a apresentar os primeiros sintomas, como febre, dores musculares, mialgia e paralisia flácida aguda (PFA), no dia 21 de agosto, até não conseguir mais se manter em pé, algumas semanas depois.

O exame de fezes foi feito em 16 de setembro e enviado ao Laboratório de Referência do Instituto Evandro Chagas. Na terça-feira 4, saiu o resultado positivo para o vírus da poliomielite.

Continua após a publicidade

O último registro de poliomielite no Brasil foi em 1989, na Paraíba. Desde 2015 a cobertura vacinal em território nacional está abaixo do mínimo recomendado, de 95%, pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com o Ministério da Saúde, dados preliminares mostram que foram vacinadas 54,21% das crianças entre 1 e menores de 5 anos contra a doença. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação de 2022 foi prorrogada até dia 21 de outubro, mas, segundo o governo, “todas as vacinas que compõem o Calendário Nacional de Vacinação, incluindo o imunizante que protege contra a pólio, seguem disponíveis para a população brasileira durante todo o ano”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.