Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronavírus: remdesivir inalável será testado em casos iniciais da doença

Daniel O’Day, CEO da empresa, anunciou que novas testagens com o antiviral serão iniciadas nesta semana

Por Da Redação Atualizado em 22 jun 2020, 17h29 - Publicado em 22 jun 2020, 17h23

A Gilead Sciences, laboratório responsável pelo desenvolvimento do medicamento antiviral remdesivir anunciou nesta segunda-feira, 22, que passará a testar o fármaco em uma nova formulação inalável, na qual o uso ocorrerá por meio de um nebulizador — o que permite o uso do medicamento fora do hospital e em estágios iniciais da doença. O medicamento foi o primeiro a apresentar resultados positivos no tratamento de casos de Covid-19.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil ()
Clique e Assine

Em uma carta aberta, o presidente da Gilead, Daniel O’Day, informou que após o sinal verde da FDA — órgão responsável pela liberação de medicamentos nos Estados Unidos — a empresa está pronta para iniciar os ensaios clínicos da Fase 1 com voluntários saudáveis ainda nesta semana e com pacientes com Covid-19 em agosto. Se tudo ocorrer como esperado, o avanço será grande. Até agora, todo o uso de remdesivir é feito por via intravenosa em doses diárias administradas dentro de hospitais. “O remdesivir agora está sendo usado para tratar pacientes através de autorizações de uso emergencial e outros programas de acesso em todo o mundo. E, no entanto, ainda temos um caminho a percorrer para explorar todo o potencial para dar uma resposta à Covid-19”, disse O’Day em comunicado.

O documento ainda aponta que essa nova onda de estudos levará em conta a possibilidade do remédio poder evitar o avanço da doença até casos mais severos, que necessitem de internação. Haverá também a análise se caso será possível melhorar os resultados dos pacientes combinando o medicamento com outras terapias. A ideia é que o antiviral combata o novo coronavírus e um tratamento extra possa combater a resposta inflamatória causada no corpo. Essa combinação seria necessária, principalmente, em pacientes mais graves, descreve a carta.

Aumento da oferta

A empresa ainda comunicou que espera dobrar a oferta de unidades do medicamento até o fim do ano. O suprimento disponível passou de 1 milhão para 2 milhões de doses.

Continua após a publicidade

O remdesivir está na vanguarda na luta contra o vírus, depois que a droga ajudou a reduzir os tempos de recuperação hospitalar em um ensaio clínico. A maior preocupação diante do produto seria escalar globalmente sua produção, uma vez que a doença atinge grandes populações em todo o mundo — já são mais de 9 milhões de infectados, de acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins.

Com Reuters.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.