Clique e assine a partir de 9,90/mês

Remdesivir, uma esperança de tratamento contra a Covid-19

Ótimos resultados clínicos com o antiviral fizeram as ações da empresa americana Gilead subirem rapidamente em todo o mundo

Por Da Redação - Atualizado em 17 abr 2020, 23h08 - Publicado em 17 abr 2020, 10h55

Na acelerada busca por um remédio contra a Covid-19, um medicamento tem recebido atenção especial, e saiu na frente na mais decisiva corrida científica de toda uma geração: o remdesivir, um antiviral que já foi usado para tratamento do ebola e da MERS (Síndrome Respiratória de Coronavírus do Oriente Médio). Nesta quinta-feira, 16, minutos depois de a farmacêutica americana Gilead, da Califórnia, divulgar os resultados iniciais de um estudo com a droga em pacientes graves com a Covid-19, deu-se rápida subida na Bolsa de Valores das ações da companhia – houve um salto de 14%. Na Ásia e na Europa ocorreu intensa e inédita procura pelos papéis da empresa. O rastilho de entusiasmo foi dado a partir de um conjunto de anúncios. No primeiro deles, a Gilead informou que, em um grupo de 125 doentes em Chicago – 113 em estado grave –, todos receberam alta, depois de apresentarem rápida melhora no trato respiratório e redução de febre. Deixaram o hospital depois de apenas uma semana de tratamento.

LEIA TAMBÉM
Vacina da gripe: quem deve tomar na segunda fase da campanha de 2020

Um outro trabalho, cujos resultados foram publicados na reputada revista científica New England Journal of Medicine (NEJM) também apontou boas respostas com o remdesivir. Um grupo de 53 pacientes afetados pela Covid-19 recebeu por via intravenosa 200mg do antiviral e, depois, foi tratado ao longo de dez dias com 100mg da droga. Depois de dezoito dias, 68% dos enfermos apresentaram melhora na condição clínica – entre os trinta casos mais graves, que estavam sendo controlados por meio de ventilação mecânica, na UTI, dezessete tiveram recuperação completa, a ponto de deixar o quarto de tratamento intensivo. Do grupo inicial, treze pacientes morreram. Do ponto de vista médico, a estatística é realmente promissora. A cautela, contudo, dado o desconhecimento completo do total funcionamento da doença e os modos de tratá-la com total eficácia, se impõe, como costuma acontecer na boa medicina. “Não é possível ainda tirar conclusões definitivas, mas há um nítido caminho de avanços a partir dos resultados com esse grupo de teste”, disse o americano Jonathan Grein, de Los Angeles, um dos líderes da experimentação, em um comunicado distribuído pela Gilead, a empresa farmacêutica americana. Há, ainda, desconfiança em torno da real resposta do organismo ao remdesivir nos casos de covid-19 – não se trata, insista-se, de crítica barata, parte da guerra pela corrida da cura. É sempre a ciência pressionando por respostas ancoradas em certezas, e não em impressões, em movimento saudável. “Os dados que constam do estudo são quase impossíveis de interpretar”, disse Stephen Evans, professor na London School of Hygiene and Tropical Medicine para a agência de notícias Bloomberg. Com o tempo – e a velocidade é um dos pré-requisitos na eclosão de pandemias – em poucas semanas haverá uma definição mais clara do poder do remdesivir, a medicação que, sem dúvida alguma, aparece hoje no pódio entre as que abrem uma janela de esperança.

Insista-se, contudo, na imposição de mais investigação, e os próprios especialistas que trabalham para a Gilead reforçam o cuidado. Eles deixaram claro que fizeram um chamado “teste aberto”, por meio do qual todos os pacientes sabiam estar tomando remdesivir – costuma-se exigir, para resultados definitivos, os “grupos de controle”, com ingestão de placebos, de modo a se obter evidências mais nítida da ação do remédio. São os estudos clínicos denominados de “duplo cego”, em que nem o examinado (o doente) nem o examinador (o médico) sabem o que está sendo usado. A Gilead já deflagrou estudos com esse rigor, em todo o mundo, mas os resultados ainda devem demorar a surgir. Há um outro nó: mesmo que o remdesivir tenha bom desempenho nesses ensaios controlados, ainda restam dúvidas se a Gilead poderá produzir a droga em escala suficiente para satisfazer a demanda global – e nem mesmo a participação de outras empresas pode vir a atender a necessidade, a curto prazo.

E, no entanto, apesar dos obstáculos, que se impõem e não podem ser subtraídos, o remdesivir atrai interesse, como poderoso imã, e ganhará novos contornos nos próximos dias. Não por acaso, o antiviral é um dos quatro compostos escolhidos pelo programa Solidariedade, da Organização Mundial de Saúde (OMS), para fazer parte de um grupo de pesquisas com mais dinheiro e mais profissionais envolvidos – os outros três são o HIV-Kaletra (composição entre o lopinavir e o ritonavir), usados no combate à aids; o interferon-beta, aplicado em casos de artrite reumatoide; e a cloroquina, a já famosíssima cloroquina e sua versão atenuada, a hidroxicloroquina, eficiente no controle da malária, e que no Brasil se transformou também em droga da ideologia. Não parece ser esse o breve futuro do remdesivir, uma droga aparentemente imune a brigas constrangedoras e inúteis.

Continua após a publicidade
Publicidade