Clique e assine a partir de 9,90/mês

Autoridades dos EUA fazem documento contra uso da cloroquina para Covid-19

O mais respeitado órgão de estudos de saúde dos Estados Unidos rejeita a aplicação da droga

Por Da Redação - Atualizado em 27 Apr 2020, 18h16 - Publicado em 21 Apr 2020, 23h47

Um painel de cinquenta especialistas do Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês), entre eles alguns consultores do governo americano, divulgaram na terça-feira, 21, uma série de recomendações contra o uso da cloroquina (sobretudo sua versão atenuada, a hidroxicloroquina), associada a um antibiótico, a azitromicina, no combate à Covid-19 – combinação defendida pelo presidente Donald Trump e, por tabela, também por Jair Bolsonaro, embora o brasileiro tenha se aquietado em relação ao assunto nos últimos dias, desde a nomeação do novo ministro da saúde, Nelson Teich.

O documento, influente, por ser divulgado por uma das mais respeitadas instituições de saúde dos Estados Unidos, aponta severos efeitos colaterais dos compostos, com episódios de arritmia cardíaca e até envenenamento.

O NIH apontou insuficiência de resultados clínicos suficientes para fazerem da droga contra a malária, lúpus e artrite reumatoide um bálsamo contra a doença respiratória provocada pelo coronavírus.

Ao tomar conhecimento do relatório, e instado a comentar os resultados, Trump ironizou, bem a seu feitio. “Estou sempre disposto a dar uma olhada”. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, o Mandetta de Trump, principal conselheiro das decisões de saúde da Casa Branca, nunca escondeu sua aversão às receitas com cloroquina, sem a devida comprovação de real eficácia.

Publicidade