Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Floresta de recuos

Em uma reviravolta na trama de uma novela cheia de idas e vindas, Temer revoga o decreto que permitiria a exploração mineral no coração da Amazônia

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 29 set 2017, 06h01 - Publicado em 29 set 2017, 06h00

A novela sobre a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), estrelada pelo governo Temer, teve uma espécie de plot twist, expressão em inglês usada quando um enredo ficcional — de TV, cinema ou literatura — dá uma guinada radical. Em mais um episódio das idas e vindas que vêm caracterizando a esfera federal nos assuntos relacionados ao meio ambiente, o Diário Oficial da União publicou na terça-feira 26 um decreto revogando outro, datado de 28 de agosto, no qual a Renca era extinta. Com quase 47 000 quilômetros quadrados — o equivalente ao tamanho do Espírito Santo —, a reserva, situada entre o Pará e o Amapá, foi criada em 1984, nos estertores do regime militar, com o objetivo de impedir a exploração estrangeira na área, rica em metais, inclusive ouro.

As trapalhadas do governo Temer com a Renca tiveram início em um decreto de 22 de agosto, que anunciava sua extinção. A medida, proposta pelo Ministério de Minas e Energia (MME), alarmou ambientalistas e celebridades como Gisele Bündchen, que inundaram de críticas as redes sociais. O barulho foi tanto que Temer revogou o decreto e apresentou outro, redigido em parceria com o Ministério do Meio Ambiente. Nele, o governo mantinha a extinção da reserva mas esclarecia que a manutenção das terras indígenas e da maior parte das unidades de conservação estava garantida. Não foi suficiente. Um juiz do DF suspendeu o decreto, enquanto o PSOL entrava com uma ação no STF, acatada pelo ministro Gilmar Mendes. O MME divulgou então uma nota em que determinava a paralisação das eventuais atividades de mineração na Renca e prometia apresentar propostas de desenvolvimento sustentável em 120 dias. Agora, com o terceiro decreto sobre o tema, Temer jogou o assunto à estaca zero — vale dizer, de volta a 1984.

Quando ainda estava decidido a extinguir a reserva, o governo alegara que a abertura econômica seria uma forma de controlar o garimpo ilegal na área. Em setembro, o Greenpeace sobrevoou a região e detectou catorze pontos de garimpo e oito pistas de pouso clandestinas. Ou seja: se não há fiscalização enquanto o local está oficialmente “fechado”, como seria se fosse liberado para exploração? A Renca não tem o fim de proteger a floresta, mas, mesmo assim, apenas 1,1% da área da reserva foi desmatada desde o fim da ditadura.

Durante a celeuma provocada pelos dois primeiros decretos, alar­deou-se que, se fossem mantidas as intenções de Temer, todas as reservas ambientais presentes na Renca desapareceriam. Não era verdade. De acordo com as regras das reservas, apenas 21% da área protegida poderia ser minerada. E, ainda assim, desde que as mineradoras atendessem a certas demandas ambientais e sociais. Segundo o advogado especializado em meio ambiente Édis Milaré, professor da PUC-SP, o decreto original não tinha nada de irregular ou ilegal. No entanto, faltou transparência em sua edição — e o governo Temer acabou punido pelo seu passado pouco lisonjeiro em questões ambientais. “Nem todo lícito é honesto. É preciso cuidado com os precedentes, e, infelizmente, no caso, eles não são dos melhores”, disse Milaré.

Publicado em VEJA de 4 de outubro de 2017, edição nº 2550

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.