Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Apolo embriagado

No sedutor 'Me Chame pelo Seu Nome', de Luca Guadagnino, o sol da Itália incendeia a primeira paixão de um rapaz por um visitante americano mais velho

Por Isabela Boscov Atualizado em 4 jun 2024, 17h40 - Publicado em 12 jan 2018, 06h00

Da janela, Elio (Timothée Chalamet) assiste ao americano muito alto desdobrar-se para fora do carrinho, e é como tes­temunhar o instante exato em que uma ideia vaga adquire contornos concretos — e avassaladores. Oliver (Armie Hammer) é o “usurpador”, como brincou Elio momentos antes: um dos pesquisadores assis­tentes a quem, todo verão, seus pais hospedam na vila da família, no norte da Itália, obrigando Elio a ceder seu quarto espaçoso. Mas Oliver, o visitante de 1983, é uma criatura à parte. É pouca coisa mais velho que Elio — 24 anos, contra os 17 do rapaz. E é um Apolo, tão belo que por um momento rouba o fôlego de quem o olha, e tão pleno que parece ocupar todo o espaço. Apresenta-se com desenvoltura aos seus anfitriões, Annella e o senhor Perlman (Amira Casar e o maravilhoso Michael Stuhlbarg), sobe as escadas com estrondo, joga-se na cama que era de Elio, cai no sono ainda calçado e não acorda nem para o jantar. A irritação de Elio é imediata, inexplicável. E se acentua quando, na manhã seguinte, Oliver aceita seu convite para sair de bicicleta, e então o larga no meio da praça da cidade com um casual “até mais”. Elio é um músico talentoso, um leitor voraz, um conversador inteligente e instigante; como o ofende ser descartado assim — e como Oliver atiça sua curiosidade com tanta displicência e independência. Me Chame pelo Seu Nome (Call Me by Your Name, Itália/Brasil/França/Estados Unidos, 2017), que estreia no país nesta quinta-feira, mergulha nas vagarias dessa corrente elétrica entre seus dois protagonistas (ambos fabulosos), e é em tudo tão embriagante quanto os sentimentos que vão tomando conta deles. Oliver e Elio se apaixonam não só um pelo outro, como também pelo sol e pela languidez do verão italiano — e pela própria paixão.

O país do romance… Julian Sands e Helena Bonham Carter em Uma Janela para o Amor: libertos das convenções …e do segredo O Talentoso Ripley: sombras sob o sol mediterrâneo (Merchant Ivory/Paramount/Divulgação)

Produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira — de A Bruxa, Frances Ha, Melhores Amigos e com uma carteira internacional cada vez mais extensa e expressiva — e dirigido pelo italiano Luca Guadagnino com locações magníficas nas cidadezinhas medievais da região da Lombardia, Me Chame pelo Seu Nome tornou-se um favorito dos festivais desde que foi exibido em Sundance, há um ano, e agora frequenta com a mesma assiduidade as premiações desta temporada. Ganhou o troféu do American Film Institute de filme do ano, concorreu ao Globo de Ouro, tem quatro indicações ao Baf­ta, o Oscar britânico, e punhados delas em outras listas de críticos e associações. Não está de fora de nenhuma premiação de qualquer importância já divulgada, e sua presença é dada como certa em várias categorias do Oscar, cujas indicações serão conhecidas no dia 23. Enfrentaria rivais fortíssimos no grupo de melhor filme — a exemplo de Três Anúncios para um Crime, que tem ganhado muita tração nas últimas semanas. Mas não está, de maneira nenhuma, fora do páreo. Na hipótese de vencer, essa seria a primeira vez em que um brasileiro sobe ao palco para pegar a estatueta do prêmio principal (que é entregue sempre aos produtores).

É quase impossível chegar ao Oscar, hoje, sem ampla representação em festivais e premiações, de um lado, e recepção calorosa da plateia, de outro. Esta, disse Teixeira a VEJA, ele tem verificado por onde viaja com o filme, apesar do tema potencialmente delicado da paixão entre um adolescente e um adulto. “Fomos beneficiados pelo clima positivo que se formou em torno de Moonlight”, afirma, em referência ao ganhador do Oscar de 2017. Mais do que qualquer circunstância, porém, é o filme mesmo que conspira em seu próprio favor.

Continua após a publicidade

Adaptado do romance homônimo do ítalo-americano André Aciman (lançado no Brasil pela Intrínseca), com roteiro do veterano James Ivo­ry, Me Chame pelo Seu Nome renova uma premissa perene, a da Itália como o lugar em que as estrituras anglo-saxônicas cedem em meio ao dolce far niente e à liberdade e multiculturalismo milenar da península, propiciando intensas descobertas pessoais — que podem ir do muito sombrio, como em O Talentoso Ripley (1999), ao muito romântico, como em Uma Janela para o Amor (1985, com direção de Ivory), ou ao complicado e pungente, como em Um Sonho de Amor e Um Mergulho no Passado, os trabalhos anteriores de Guadagnino. Que aqui, entretanto, afinal consegue levar ao ponto de ebulição essa reação singular entre cenário e personagens, e tirar dela um sumo inebriante.

Publicado em VEJA de 17 de janeiro de 2018, edição nº 2565

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.