Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tradicionalismo atrai jovens fiéis: missa em latim e mulheres de véu

O credo que move os autoproclamados guardiões da doutrina é a urgência de evitar o que entendem como o iminente colapso da Igreja Católica

Por Maria Clara Vieira e Sofia Cerqueira
Atualizado em 11 nov 2019, 15h26 - Publicado em 8 nov 2019, 06h00

O silêncio sepulcral é quebrado pelo canto gregoriano, entoado solenemente pelos mais de 200 fiéis que acompanham a celebração. Mulheres de saia abaixo dos joelhos cobrem a cabeça com um véu de renda, branco para as solteiras, preto para as casadas. Todos os rapazes usam calça comprida e camisa abotoada. À esquerda, um dos dez vitrais coloridos resume o ambiente: nele se veem uma imagem de São Paulo e a frase “Guardai-vos das novidades”. Assim é a missa de domingo na Capela São Pio X, em plena Vila Mariana, um bairro da Zona Sul de São Paulo. Depois de ficar décadas praticamente relegada à memória dos mais velhos, a missa tridentina (referência ao Concílio de Trento, em meados dos anos 1500, quando o ritual foi consagrado), aquela que é toda celebrada em latim, com o padre de costas para a congregação, está passando por uma ressurreição, atendendo à recente multiplicação do rebanho conservador.

Esse movimento, como outros que reforçam as diversas vertentes do conservadorismo no mundo, tem raízes no burburinho incessante de informações que cria e derruba certezas absolutas a cada segundo e exacerba os ânimos e as inquietações das pessoas. “Quando o futuro parece muito incerto, a volta ao passado tem o apelo de um porto seguro”, diz o cientista das religiões Vinícius Mérida, da PUC-­MG. Em 1990, havia no Brasil inteiro apenas treze paróquias que rezavam missas tridentinas. Hoje, são 133 listadas em um site especializado, fora as muitas que oferecem os dois ritos, o antigo e o atual, dependendo do horário. Recentemente, igrejas no Espírito Santo e em Alagoas começaram a oferecer a celebração em latim como opção, em um repertório misto que se repete em templos instalados em roteiros turísticos como a Igreja São José e o Outeiro da Glória, no Rio de Janeiro, e o Mosteiro de São Bento, em São Paulo — famoso justamente pelo coral gregoriano.

CONTRA O “PAGANISMO” – Paulo Victor Santana: camiseta pró-Lefebvre (Jefferson Coppola/.)

O credo que move os autoproclamados guardiões da doutrina — entre eles, surpreendentemente, uma vasta legião de jovens — é a urgência de evitar o que entendem como o iminente colapso da Igreja Católica. “Desde o Concílio Vaticano II a instituição está envolta na fumaça de Satanás”, acredita o maranhense Thadeu Nunes, de 20 anos, frequentador da missa tridentina de domingo na capela paulistana. O Vaticano II, iniciado pelo papa João XXIII e encerrado em 1969, por Paulo VI, aprovou diretrizes destinadas a modernizar a Igreja, como a chamada “missa nova”.

Desde o Concílio de Trento até exatos cinquenta anos atrás, a missa seguiu uma fórmula absolutamente rígida, sem nenhuma abertura para padres cantores e instrumentos musicais como guitarra e bateria no serviço religioso. O Concílio Vaticano II foi um divisor de águas no catolicismo e criou um racha entre religiosos favoráveis às mudanças (ou conformados com elas) e aqueles que as rechaçaram completamente. Além de mudar os ritos, o concílio flexibilizou o conceito de extra ecclesiam nulla salus — “fora da Igreja (católica, claro) não há salvação” —, aproximando o catolicismo de outras religiões e ganhando dos tradicionalistas acusações de “herético”, “judaizante”, “maçônico” e “comunista”. Os líderes do rebanho que viu na reforma uma afronta sem perdão à fé católica foram o arcebispo francês Marcel Lefebvre e o brasileiro Antônio de Castro Mayer, responsável pela diocese de Campos dos Goytacazes, no Rio. Os dois continuaram a rezar missas tridentinas, indiferentes à exigência de autorização especial de Roma para fazê-lo.

SEM PECADO –  Schmidt, 21, e Bárbara, 20, convertidos há dois anos: roupas comportadas e abstinência sexual (Eduardo Monteiro/.)

Mesmo excomungados, eles nunca deixaram de ter seguidores, que agora se multiplicam. Em São Paulo, o empresário Paulo Victor Santana, de 22 anos, milita na cartilha tradicionalista. Há duas semanas, compareceu a um encontro de jovens que comungam desse mesmo catecismo na Praça da Sé, no centro de São Paulo, trajando uma camiseta com a frase “Lefebvre tem razão”. Diz ele: “Quando conheci a tradição, tive receio de seguir as ideias de um bispo que chegou a ser excomungado. Hoje, com o paganismo à solta na Igreja e Pachamama no Vaticano, entendo que ele estava certo”. A imagem de Pachamama, deusa amazônica exposta em uma igreja na Itália, foi roubada e atirada no Rio Tibre por grupos ultraconservadores.

Em 2007, o papa Bento XVI, em um afago à linha tradicionalista, revogou a burocracia para a celebração do rito antigo, e ele começou a ser discretamente oferecido em paróquias de regiões mais conservadoras. Aí veio o papa Francisco, falando em dar comunhão a divorciados, respeitar os homossexuais e até — coisa que nunca se viu — permitir padres casados na Amazônia, e as hostes do tradicionalismo se inflaram com a adesão de católicos indignados com os ventos modernistas. “A Igreja não deve se adequar ao tempo. Sua missão é salvar almas. Cada vez que ela se abre a uma novidade, pessoas são condenadas ao inferno”, acredita piamente o estudante de jornalismo Darwin Schmidt, de 21 anos, que rejeita o nome de batismo, do pai da teoria da evolução, e prefere ser chamado de Domenico, em homenagem a São Domingos Sávio.

(./.)

Schmidt estudou em uma conceituada escola alemã em São Paulo. Na adolescência, dizia-se ateu e comunista e, como é comum nessa fase, consumia maconha com os amigos e pornografia na internet. Há dois anos, diz, “abriu-se em mim a necessidade de ser cristão”. Ele se converteu ao catolicismo da linha tradicionalista e mudou da água para o vinho: hoje, sente-se isolado pelos colegas da faculdade, que “vivem um ideário esquerdista”, e condena as moças que usam short, saia curta e camiseta que deixa a barriga de fora. “Isso atenta contra a dignidade da mulher e seu valor como ser humano”, afirma Schmidt, que namora Bárbara Yabrudi, 20 anos, estudante de cinema que também passou por uma conversão marcante. Acostumada a sair toda noite e a beber bastante, ela hoje é adepta da saia abaixo dos joelhos, do véu na missa e do sexo só depois do casamento. “Eu vivia de prazeres momentâneos. Sentia um vazio muito grande”, relata. Sua transformação impactou a família. “Primeiro meus pais ficaram aliviados por eu estar mais caseira e nossa relação melhorou. Hoje eles acham um pouco exagerada a questão da castidade, por exemplo”, confessa.

À MODA ANTIGA – Missa tridentina de domingo na Capela São Pio X: o padre reza em latim, de costas para a congregação (Jefferson Coppola/.)

A cruzada contra conceitos identificados com “marxismo cultural” (vade-retro) levou os católicos tradicionalistas a votar em massa em Jair Bolsonaro nas últimas eleições, mas ele não conta com seu apoio incondicional. “Enxergamos Bolsonaro como o mal menor”, esclarece Pedro Felipe Almeida, 21 anos, estudante de direito da UFRJ. “Toleramos este governo com muita má vontade, porque está longe de representar o ideal católico. O Estado tem de estar submetido à lei de Deus”, diz o professor Eduardo Cruz, que pretende fundar o Partido dos Cristeros (nome de um grupo de mártires mexicanos). Entre as críticas ao atual mandatário estão o excesso de influência neopentecostal, o liberalismo econômico e o apoio ao sionismo. O maior país católico do mundo não é o único onde se vê um aumento do conservadorismo. As missas em latim estão em alta na Europa, o berço do catolicismo, e, principalmente, nos Estados Unidos, onde 22% se definem católicos: atualmente elas são rezadas em quase 600 igrejas americanas, de acordo com o portal Latin Mass Directory.

À frente de uma paróquia no Estado de Michigan que oferece as duas versões da missa, o padre americano Robert Sirico, presidente do Instituto Acton, de estudos da religião, garante que é a liturgia à moda antiga que anima o maior número de jovens. “Muitos vêm por curiosidade, atraídos pelo clima de mistério que cerca a missa em latim. Digo que são hipsters tridentinos”, brinca. “O que se vê na juventude que aderiu ao rito tradicionalista é a valorização do passado idealizado. Parece que eles sentem uma grande saudade do que não viveram”, observa o especialista Mérida. Quem diria: para uma legião de jovens, o mundo moderno fica mais fácil de ser entendido em latim.

Publicado em VEJA de 13 de novembro de 2019, edição nº 2660

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.