Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

STF autoriza abertura de 3º inquérito contra Cunha

Teori Zavascki autorizou nova investigação com base nas delações de empresários da Carioca Engenharia, que acusam o deputado de ter recebido propina no exterior

Por Da Redação 8 mar 2016, 00h01

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de um terceiro inquérito para investigar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O pedido de abertura havia sido enviado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na semana passada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A nova solicitação tem como base as delações dos empresários da Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior, que acusam Cunha de ter recebido propina em contas no exterior. A suspeita é de que o parlamentar tenha recebido impressionantes 52 milhões de reais de um consórcio formado por Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia no Porto Maravilha, projeto de revitalização da região portuária da cidade do Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM:

Cunha recebe notificação do Conselho de Ética

Mulher de Cunha quer ficar londe de Sergio Moro

Continua após a publicidade

Para procuradores ligados ao caso, o peemedebista se valia de sua influência junto ao ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto para negociar liberações de verbas do FI-FGTS para viabilizar o projeto.

Investigações – O presidente da Câmara já é alvo de uma ação penal e uma denúncia por suspeitas de ligação com o petrolão. Na última quinta-feira, os ministros do Supremo decidiram por unanimidade colocar Cunha no banco dos réus ao aceitar a denúncia pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso em que o peemedebista é acusado de ter recebido 5 milhões de dólares em propina por contratos de compras de navios-sonda pela Petrobras.

Na sexta-feira, Janot apresentou nova denúncia contra Cunha, pela acusação de que o parlamentar e sua família usaram contas secretas na Suíça para esconder dinheiro de propina.

Cunha ainda é alvo de um pedido de afastamento do cargo formulado por Rodrigo Janot sob a alegação de que ele usaria o cargo de deputado para atrapalhar as investigações da Lava Jato.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade