Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Retomada’ indígena contabiliza 26 invasões na Bahia desde outubro

Os invasores expulsam os fazendeiros, matam o gado, queimam veículos e destroem plantações e benfeitorias

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 Maio 2023, 21h49 - Publicado em 21 Maio 2023, 21h49

Armados com espingardas e revólveres, indígenas e seus descendentes no sul da Bahia anunciaram uma “retomada” de terras de seus antepassados e já invadiram 26 fazendas na região desde outubro. Durante as invasões, eles expulsam os fazendeiros, matam o gado e destroem benfeitorias. Os ataques foram descritos num documento que os sindicatos rurais de Porto Seguro, Teixeira de Freitas, Prado, Itamaraju e Eunápolis enviaram para a Secretaria de Segurança Pública da Bahia e para os parlamentares que irão integrar a CPI do Congresso Nacional que vai investigar invasões de terras.

O fazendeiro José Cristóvão Oliveira Pimentel, de 65 anos, por exemplo, conta que teve sua propriedade de 147 hectares, em Itabela, invadida dia 5 de janeiro. Os índios deram um dia de prazo para ele retirar os pertences, mas ele não conseguiu recolher 8 bois, duas ovelhas e 1.500 tilápias do tanque.  “Os índios, que de índios não têm nada, são caboclos que andam de caminhonete Hilux, anunciaram que estavam fazendo uma ‘retomada’, mas não são terras deles”, disse ele, que é dono da fazenda há 20 anos e tem registro em cartório. Segundo seis fazendeiros ouvidos por VEJA, as invasões se intensificaram em outubro, quando foi confirmada a vitória de Lula nas eleições e a criação de um ministério voltado para as causas indígenas.

índios
O fazendeiro José Cristóvão e a esposa Lúcia: fim do hobby de pescar tilápias após a invasão dos índios – reprodução (reprodução/Reprodução)

Os fazendeiros já denunciaram as invasões na polícia e na Justiça, mas não conseguem retomar suas terras. O material entregue à CPI  tem depoimentos de 13 proprietários, prestados na Polícia Civil da Bahia em fevereiro, filmes e fotografias das invasões. O presidente da CPI, deputado Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS), diz que não serão investigadas somente as invasões feitas pelo MST, mas também por índios e quilombolas. Na próxima terça-feira, Zucco se reúne com o relator, deputado Ricardo Salles (PL-SP), para formatar um plano de trabalho.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.