Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Propriedade de petista é invadida – e, dessa vez, PT condena

Guarani-Kaiowás ocuparam pela segunda vez no mês propriedade que alegam estar dentro de terra indígena

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 mar 2023, 10h15 - Publicado em 13 mar 2023, 19h22

Em meio ao desgaste político do governo com a invasão de três fazendas da Suzano pelo aliado histórico MST, o PT voltou a entrar em rota de colisão com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra após integrantes do grupo terem endossado a ocupação da propriedade de um dirigente do próprio partido. Na quarta-feira, 8, indígenas Guarani-Kaiowá se apropriaram da Fazenda Inho, imóvel rural de mais de 300 hectares do presidente do diretório petista em Rio Brilhante (MS) José Raul das Neves Junior. É a segunda vez que a propriedade foi tomada pela etnia apenas neste mês.

A retomada das invasões de terras pelo MST, como ocorreu com a Suzano na Bahia, se tornou uma preocupação para o Executivo entre outras coisas porque joga por terra o discurso de campanha do presidente Lula, que alegara que os sem-terra não entravam em propriedades produtivas. Em entrevista a VEJA em janeiro, o ministro da Agricultura Carlos Fávaro havia afirmado ter recebido garantias de que não haveria ocupações em terras não-ociosas, mas até o momento fracassou a tentativa do governo de mediar a contenda entre o movimento e a Suzano.

No caso do município sul-matogrossense, os invasores, embora tenham recebido acenos de solidariedade do MST, são outros. A fazenda Inho está no meio de uma briga judicial com os Guarani-Kaiowá, que alegam que a propriedade do petista está dentro da Terra Indígena Nhanderu Laranjeira, em processo de demarcação. Antes das ocupações de março, os indígenas haviam sido despejados três vezes da mesma área.

O MST disse em nota que “o sentido histórico da solidariedade e da comum união entre trabalhadores e trabalhadoras nos convoca a ficar do lado do povo Guarani e Kaiowá”. “A barbaridade é os povos do campo e os trabalhadores da cidade não poderem ter acesso a uma alimentação diversificada e sem veneno”, completou o movimento. A ofensiva dos sem-terra é uma resposta ao ex-governador e atual deputado estadual Zeca do PT, que em discurso na Assembleia Legislativa condenou a invasão da fazenda do correligionário.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.