Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Projeto que quer prisão para quem tirar camisinha ganha pedido de urgência

Conhecida como stealthing, prática não é tipificada pela legislação brasileira

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
10 dez 2023, 22h03

Está na mesa do presidente da Câmara dos Deputados Arthur Lira (Progressistas-AL) um pedido para que o Plenário analise com urgência um projeto que prevê prisão de até dois anos para homens que retirarem, sem consentimento da parceira ou do parceiro, a camisinha durante o ato sexual. A prática, conhecida pelo termo inglês stealthing, não tem tipificação própria na legislação brasileira e hoje é enquadrada em pelo menos quatro crimes diferentes, a depender das circunstâncias específicas do caso.

Como a lei brasileira classifica hoje o stealthing?

Se a remoção do preservativo causar lesões à vítima ou uma DST, a justiça tende a classificar o caso como lesão corporal e periclitação da vida e da saúde; se na situação o parceiro não percebe a retirada da camisinha, o caso pode ser enquadrado como violação sexual mediante fraude; e se o parceiro percebe a retirada da proteção, pede a interrupção do ato sexual e não é atendido, o episódio pode ser classificado como estupro.

Uma quarta possibilidade é a aplicação da Lei Maria da Penha ao considerar formas de violência doméstica contra a mulher a violência sexual “que a impeça de usar qualquer método contraceptivo”. Para tentar minorar os riscos de a prática ser ignorada pelo Judiciário, o deputado Delegado Marcelo Freitas (União-MG) propôs a tipificação do stealthing.

Com pequenas variações, projetos semelhantes já haviam sido apresentados pelo ex-deputado Alexandre Frota, que defendia a inclusão da prática no crime de fraude, e pela deputada Renata Abreu (Podemos-SP), defensora de que o stealthing fosse causa de aumento de pena. Em tramitação conjunta, os três foram aprovados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em outubro e aguardam a decisão se irá tramitar em regime de urgência no Plenário.

Um dos críticos do projeto, o deputado Alberto Fraga (PL-DF) disse que o Congresso deveria dar prioridade a temas supostamente mais urgentes e disse que “não faz sentido um projeto dessa magnitude com tanta coisa importante”. Ele ainda ironizou a discussão do stealthing afirmando que apresentaria uma emenda para que o ato de furar a camisinha também seja criminalizado. A versão em debate na Casa estabelece pena de reclusão de seis meses a dois anos e multa se o ato não constituir também um outro crime mais grave, como estupro, por exemplo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.