Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Prisão não tem fundamento, afirma defesa do tucano Beto Richa

Advogado Guilherme Brenner Lucchesi cita 'perseguição ao ex-governador e a seus familiares' e afirma que tucano já prestou esclarecimentos sobre os fatos

Por Estadão Conteúdo 19 mar 2019, 15h28

O advogado Guilherme Brenner Lucchesi, que defende Beto Richa (PSDB), manifestou-se sobre a prisão do ex-governador do Paraná ocorrida na manhã desta terça-feira, 29. “A defesa de Carlos Alberto Richa esclarece que a determinação de prisão exarada hoje não traz qualquer fundamento. Tratam-se de fatos antigos sobre os quais todos os esclarecimentos necessários já foram feitos”, escreveu em nota.

“Cumpre lembrar que as fraudes e desvios cometidos em obras de construção e reforma de colégios da rede pública de ensino foram descobertos e denunciados pela própria gestão do ex-governador Beto Richa. Por orientação do ex-governador, no âmbito administrativo, todas as medidas cabíveis contra os autores dos crimes foram tomadas. A defesa repudia o processo de perseguição ao ex-governador e a seus familiares; todavia, segue confiando nas instituições do Poder Judiciário”, finalizou o defensor.

Advogados de outros implicados no caso também se manifestaram. O advogado Marlus Arns de Oliveira, que atua na defesa de Ezequias Moreira, informou que se manifestará nos autos. Já Luiz Carlos Soares da Silva Júnior afirmou que Jorge Atherino “está à disposição da Justiça para quaisquer esclarecimentos”.

  • A operação

    A nova fase da Operação Quadro Negro, que prendeu o ex-governador paranaense Beto Richa nesta terça-feira, investiga desvios de 22 milhões de reais por meio de aditivos contratuais sobre a construção e reformas de escolas estaduais. O inquérito mira ainda nos crimes de corrupção, fraude à licitação e organização criminosa. Comanda a Quadro Negro o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná.

    Richa foi preso preventivamente pela manhã sob suspeita de obstrução de Justiça. Esta é a terceira vez em um ano que o tucano é preso. O ex-governador havia sido capturado na Operação Radiopatrulha e pela Operação Integração, desdobramento da Lava Jato na Justiça Federal.

    São alvo de mandado de prisão por tempo indeterminado o ex-secretário do Governo do Paraná Ezequias Moreira e o empresário Jorge Atherino. Ao pedir as detenções, o Ministério Público do Paraná afirmou que os crimes “não estavam restritos a servidores de baixo escalão, mas sim que eram estruturalmente coordenados pelo então governador do Estado, Beto Richa”.

    Continua após a publicidade
    Publicidade