Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Operador da Lava Jato diz à Justiça que mora na Suíça

Bernardo Freiburgaus providenciou pagamentos de propina feitos pela Odebrecht para o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa

Está escondido na Suíça um dos principais operadores investigados pela Operação Lava Jato da Polícia Federal. Bernardo Schiller Freiburgaus, responsável pelos pagamentos de propina feitos pela Odebrecht para o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, sengundo os investigadores, enviou manifestação à Justiça Federal do Paraná na qual diz que “já há algum tempo reside na Suíça”. O comunicado foi anexado em processo nesta quarta-feira.

Leia também:

Justiça aceita denúncia contra Cerveró por lavagem de dinheiro

‘Teremos disputas se PT não quiser investigar’, diz indicado a presidir CPI

Policiais cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa de Freiburgaus na Lagoa, Zona Sul do Rio de Janeiro, no dia 5 de fevereiro, quando foi deflagrada a operação My Way, nona etapa da Lava Jato. Mas quem recebeu os policiais foi Ana Luiza Andrade Freiburgaus. Os agentes tentaram cumprir um mandado de condução coercitiva, para conduzir Bernardo a depoimento na sede da Polícia Federal, mas ele não foi localizado.

A advogada Fernanda Silva Telles, que defende Freiburgaus, apresentou à Justiça Federal um endereço em Genebra, na Suíça, como a nova moradia do operador.

Como admitiu o ex-diretor Costa em depoimentos prestados em acordo de delação premiada, Freiburgaus foi o responsável por operar contas na Suíça utilizadas para receber da Odebrecht mais de 20 milhões de dólares de propina.