Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Marcelo Crivella perde apoio entre os católicos

Declínio coincide com a reação negativa da Igreja Católica à divulgação do panfleto com foto do arcebispo do Rio

Por Maria Clara Vieira Atualizado em 22 out 2020, 15h29 - Publicado em 28 set 2016, 19h03

A cinco dias do primeiro turno, o candidato Marcelo Crivella, que conta com o apoio de cerca de metade da população evangélica do Rio de Janeiro, perdeu porcentagem significativa de eleitores entre os fiéis na Igreja Católica. Segundo pesquisa do Datafolha publicada ontem, o número de católicos entre os que declaram voto ao senador caiu de 26% para 19% na mesma semana em que a Arquidiocese do Rio rechaçou material de campanha com a imagem de Crivella ao lado de dom Orani Tempesta, cardeal do Rio.

A foto foi tirada em 24 de agosto, quando o Crivella compareceu à sede da Arquidiocese para apresentar seu plano de governo – gesto repetido por outros sete candidatos à prefeitura do Rio. Em nota, dom Orani alegou que “não autorizou o uso da imagem do registro do encontro para induzir um certo apoio político em panfletos e/ou material de propaganda”.

Os candidatos Pedro Paulo e Marcelo Freixo foram os que mais se beneficiaram dessa migração, agregando, respectivamente, três e quatro pontos percentuais entre os eleitores católicos. Freixo também melhorou o desempenho no eleitorado pentecostal, subindo de 1% para 5% das intenções de voto. Já Crivella perdeu dois pontos percentuais no mesmo público – que engloba inclusive a Igreja Universal, da qual é bispo licenciado. O declínio, entretanto, foi compensado pelo ganho de treze pontos entre evangélicos de outras denominações.

Entre os umbandistas que pretendem votar em Crivella, a pesquisa registra um salto de 15% para 32%. Na semana passada, o candidato apareceu em noticiário da TV Globo ao lado do pai de santo Douglas Penha. O gesto foi repudiado por treze associações que representam religiões afro-brasileiras.

Continua após a publicidade

Publicidade