Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lira rejeita apoiar nome do MDB para sucessão na Câmara

Deputado Isnaldo Bulhões, cotado à presidência da Casa, é aliado de Renan Calheiros, com quem Arthur Lira tem enfrentado uma série de embates

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 12 fev 2024, 16h47 - Publicado em 11 fev 2024, 21h42

Faltando um ano para a eleição, uma extensa lista de deputados começam a se movimentar em busca de ganhar força interna e conseguir angariar votos para a disputa ao comando da Câmara, marcada para fevereiro de 2025. Alguns deles correm na mesma raia e tentam o respaldo do atual presidente, Arthur Lira (PP-AL), eleito no ano passado com o apoio de 464 parlamentares, um número recorde.

Ao menos quatro nomes são colocados como os principais para entrar na disputa tendo Lira como cabo eleitoral. São eles: Elmar Nascimento (União Brasil-BA), Marcos Pereira (Republicanos-SP), Antônio Brito (PSD-BA) e Isnaldo Bulhões (MDB-AL).

Em conversas reservadas, o presidente da Câmara tem dito que ainda busca o perfil ideal e que o critério básico é que não seja subserviente ao governo e tampouco encampe as temidas “pautas-bombas”. Ele afirma, ainda, que não vai escolher com base na amizade – Elmar Nascimento é hoje o parlamentar mais próximo a Lira.

Há, inclusive, a possibilidade de que surja um nome alternativo a esses.

Nome vetado

Em meio a um cenário de incertezas, ao menos um deputado já foi limado da lista de opções: Isnaldo Bulhões. Por dois motivos: o primeiro é que ele também é de Alagoas, o que poderia gerar uma crise de representatividade com parlamentares de outros estados.

Continua após a publicidade

O segundo é que Bulhões é um fiel aliado do senador Renan Calheiros (MDB-AL), de quem Lira é um notório adversário. Desde o início do governo Lula, a dupla alagoana tem protagonizado uma série de embates que chegaram a respingar no governo. No horizonte, a CPI da Braskem será palco de mais uma disputa local que recai sobre o Congresso.

Em meio a esse contexto, Lira não defenderia um nome ligado a Calheiros, que sairia fortalecido ao ter um aliado de primeira hora no comando da Câmara.

Lula em campo

Como mostrou o site de VEJA, Lira decidiu levar a sucessão no comando da Câmara a Lula. O deputado quer, desde já, o apoio do governo e do PT para o nome que será indicado por ele.

A intenção do chefe da Câmara chegou ao Palácio do Planalto e, na última sexta-feira, 9, Lira e Lula tiveram uma reunião no Palácio da Alvorada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.