Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governo suíço autoriza repatriação de US$ 26 mi de Costa

Parte dos recursos vai ser utilizada para indenizar perdas da Petrobras em esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato

Por Daniel Haidar, do Rio de Janeiro 26 nov 2014, 21h33

O governo da Suíça autorizou nesta quarta-feira a repatriação de 26 milhões de dólares depositados em contas bancárias do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa no país europeu. O dinheiro é parte do suborno acumulado pelo ex-diretor no esquema de corrupção da Petrobras investigado na Operação Lava Jato. Para ser beneficiado com uma punição mais branda, Costa colaborou com as investigações e aceitou acelerar a perda dos recursos que vão ser utilizados para cobrir parte do prejuízo da estatal.

Se Costa não tivesse reconhecido que o dinheiro era fruto de atividade criminosa, o processo de repatriação poderia demorar anos, segundo o Ministério Público Federal.

Ainda assim, os recursos devem demorar alguns meses para serem transferidos. Deverão ficar reservados em conta especial supervisionada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de acordo com o procurador da república Deltan Dallagnol. Ele e o procurador Orlando Martello Júnior se encontraram com autoridades suíças para garantir a repatriação. Eles também tiveram acesso a extratos bancários de Costa, que vão servir para identificar as empresas que pagaram propina ao ex-diretor da Petrobras. Em depoimento no acordo de delação premiada, Costa disse que recebeu 23 milhões de dólares em propinas pagos pela Odebrecht em contas na Suíça.

A força-tarefa do Ministério Público Federal responsável pela Operação Lava Jato também busca a repatriação de recursos escondidos no exterior pelo ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e pelo ex-gerente de Serviços da estatal Pedro Barusco. Este último já afirmou que vai devolver 97 milhões de dólares.

Leia também:

Empreiteiro diz que pagou R$ 8,8 mi em propina

MPF rastreia dinheiro desviado da Petrobras no exterior

Continua após a publicidade
Publicidade