Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Frota apresenta pedido de impeachment contra Bolsonaro

O deputado, que participou ativamente na campanha presidencial, apresentou seis crimes contra o presidente

Por André Siqueira, Roberta Paduan Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 19 mar 2020, 19h50 - Publicado em 19 mar 2020, 17h28

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) protocolou pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira, 19. É o segundo pedido de impedimento do presidente apresentado esta semana.

Ex-bolsonarista fervoroso, Frota elencou seis crimes na denúncia contra o presidente. São eles: crime de responsabilidade por apoiar e convocar protestos manifestamente contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal; crime contra a segurança nacional, por incitação e chamamento à manifestação contra a Constituição; crime contra a administração pública, por exclusão do jornal Folha de S.Paulo de um evento público; crime por descumprimento do decoro do cargo; crime contra a administração pública, por atacar as jornalistas Patrícia Campos, da Folha de S.Paulo, e Vera Magalhães, do Estadão; e crime contra a saúde pública, pelo episódio em que confraternizou com manifestantes na porta do Palácio Alvorada, no último dia 15, quando seus apoiadores protestavam contra o Congresso e o Judiciário.

Na denúncia, Frota afirma que Bolsonaro “foi notoriamente apoiado por movimentos de extrema direita que, após sua eleição, passaram a imputar os insucessos do Governo às supostas dificuldades provocados pelos demais Poderes, Legislativo e Judiciário. Esses movimentos de extrema direita vêm ameaçando as instituições democráticas brasileiras, com apologia ao fechamento do Congresso Nacional e do STF”.

Segundo Frota, a conduta agressiva dos movimentos de extrema direita à democracia brasileira vem sendo estimulada por Bolsonaro, “que diuturnamente agride a imprensa, cuja liberdade constitui uma das garantias do Estado Democrático de Direito”.

Continua após a publicidade

Outro exemplo de ataque às instituições democráticas, apontou o parlamentar, ocorreu em 10 de março, durante a visita oficial aos Estados Unidos, quando o presidente afirmou que tem provas de que as eleições de 2018 foram fraudadas. Segundo Bolsonaro, ele deveria ter sido eleito em primeiro turno, não no segundo, como ocorreu. Até a presente data, porém, o presidente não apresentou provas da acusação. “Ou seja, quis apenas achincalhar o poder judiciário”, diz o pedido de impeachment. 

O documento, de 38 páginas, é aberto com frases de Rui Barbosa e Mahatma Gandhi. De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra; de tanto ver crescer a injustiça; de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto” (Rui Barbosa). “Assim como uma gota de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor que seja, estraga toda a nossa vida” (Mahatma Gandhi).

De apoiador a opositor

Alexandre Frota foi um dos bolsonaristas mais aguerridos na campanha presidencial. Em 2018, concorreu pela primeira vez a um cargo político e obteve 155 mil votos, elegendo-se como o terceiro deputado mais votado da sigla no estado de São Paulo.

Congressista de primeiro mandato, o parlamentar fez parte da tropa de choque do governo e foi um dos parlamentares mais atuantes no processo de aprovação da reforma da previdência. Chegou a receber elogios do ministro da Economia, Paulo Guedes, pela atuação no Congresso.

Continua após a publicidade

Filiado ao PSDB desde agosto de 2019, Frota foi expulso do PSL, ex-partido de Bolsonaro, depois de criticar o presidente e seus filhos. Segundo ele, sua primeira decepção com Bolsonaro ocorreu ainda na montagem do governo, quando os nomes que indicou, principalmente para a área cultural, foram tratados com desdém pela gestão. Ele nega, no entanto, que o rompimento tenha a ver com cargos. “A desavença não foi por cargos, porque eu não pedi cargo nenhum. Foi o Bolsonaro quem me pediu para montar esse cinturão (na área de cultura) para ele”, afirmou ao programa Páginas Amarelas, da Veja.

Na entrevista, ele também citou o caso envolvendo Fabricio Queiroz, ex-motorista no gabinete do senador Flávio Bolsonaro, como um dos motivos de desavença. “O caso Queiroz fez com que a gente ficasse na defesa. Eu subi (na tribuna) e disse: ‘eu defendo a prisão do Queiroz’. Depois, o telefone tocou, era um assessor do Jair dizendo que ele não tinha gostado”, conta.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.