Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estratégia de Lula põe ex-ministros e ex-figurões do PT no segundo escalão

A ideia do presidente é mostrar que existe um novo governo, mas também um governo novo

Por Hugo Marques e Ricardo Chapola
Atualizado em 14 abr 2023, 10h05 - Publicado em 14 abr 2023, 06h00

Ao longo dos dois primeiros mandatos de Lula, Gilberto Carvalho tinha acesso livre à maçaneta do gabinete presidencial. Coordenador da agenda do petista por oito anos, oficialmente atuava como braço direito operacional e fazia a interlocução do governo com movimentos sociais. Sua principal tarefa, porém, era outra. Longe dos holofotes, era dele o papel informal de conselheiro e guardião do presidente — tarefa que cumpriu com diligência por oito anos. Por ser um dos últimos remanescentes do primeiro escalão do PT, partido que ajudou a fundar, esperava-se que Gilberto assumisse um posto de destaque no novo governo. Em vez disso, assumiu o comando da discreta Secretaria Nacional de Economia Popular e Solidária com um salário mediano, na casa dos 12 000 reais. Vinculado ao Ministério do Trabalho, o órgão atua em políticas de inclusão de cooperativas e associações de trabalhadores no mercado de trabalho. Parece uma ocupação menor — e é. Mas isso não significa necessariamente que o ex-ministro encolheu.

Reabilitado pelas urnas, Lula colocou em prática um projeto de reconstrução da própria imagem. Com pouca margem de votos sobre Jair Bolsonaro, ele já havia sido orientado a abrir sua chapa nas eleições para doze partidos e garantir cargos importantes aos novos apoiadores — MDB, União Brasil, PSB e PSD, por exemplo, levaram três ministérios cada. A ideia é mostrar que existe um novo governo, mas também um governo novo. “Lula até brincava: ‘De velho já chega o técnico. Quero jogadores novos’. Não podíamos repetir o governo com o mesmo time”, explicou Gilberto Carvalho a VEJA. A aparente segregação de figuras históricas do PT segue, em parte, essa lógica. A outra, bem mais pragmática, inclui o diagnóstico de que, longe do escrutínio que a opinião pública dedica ao primeiro escalão, no segundo escalão os aliados ficam mais livres e podem executar com certa discrição as ordens do chefe e as missões do partido. “Não tenho mais uma relação cotidiana com o Lula, mas costumo ir ao Palácio nas folgas depois do almoço e converso bastante com ele”, ressalta Gilberto Carvalho.

Ex-ministro da Indústria e Comércio e ex-governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel é outro exemplo de petista com pedigree colocado à distância das grandes decisões. Ele foi indicado para comandar uma estatal encarregada de recuperar ativos da União e, por ser irrelevante, constava na lista de empresas a serem liquidadas. O salário é de 42 000 reais, mas certamente não foi esse o principal atrativo, embora não se saiba quais são os outros. Nesse rol de figurões petistas ocupando cargos subalternos ainda aparece o ex-governador Jorge Viana, presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex), a ex-ministra do Planejamento Miriam Belchior, atualmente secretária-executiva da Casa Civil, e a ex-­presidente Dilma Rousseff, que se mudou para Xangai, na China, onde assumiu na semana passada o comando do chamado banco dos Brics. “A velha guarda do PT ajuda com experiência e capacidade, mas, afastada dos cargos principais, também ajuda a diminuir o desgaste do partido”, avalia o vice-­presidente da legenda, deputado Washington Quaquá.

Segundo Escalão

Continua após a publicidade

Esse plano de renovação, no entanto, é apontado por alguns setores do próprio PT como responsável por certas dificuldades nesse início de governo. O próprio Quaquá reconhece o problema: “Eu costumo dizer que os meninos já entram no PT querendo ser presidente da República. Antigamente a gente entrava no PT para fazer revolução. Hoje, o menino ganha uma mesa, uma secretária, um cargo de 8 000 reais e vira burocrata com 20 anos de idade”. Petista histórico e amigo de primeira hora de Lula, o ex-metalúrgico Paulo Okamotto também está distante do governo — ao menos formalmente. “Não há nada demais nisso. Ex-ministro ocupar cargo de segundo escalão não é perda de prestígio. O que há é um grande otimismo no início deste governo e todos querem colaborar”, explica ele, que comanda a Fundação Perseu Abramo, entidade ligada ao PT.

No início do governo, Okamotto circulou por Brasília. Mesmo sem nenhum cargo, visitou o então presidente do Sebrae, Carlos Melles, e transmitiu a ele o recado de que Lula queria sua demissão. “Ou você sai ou vamos te tirar”, advertiu, segundo relato de quem acompanhou o encontro. O Sebrae, que foi comandado pelo próprio Okamotto de 2005 a 2010, durante os dois primeiros mandatos de Lula, tem um orçamento de 4,5 bilhões de reais. É considerado uma das joias da coroa. Coincidência ou não, Melles pediu demissão depois do encontro. No lugar dele, assumiu o ex-deputado Décio Lima, presidente do diretório estadual do PT de Santa Catarina. Como Okamotto não é do governo, ficou o dito pelo não dito. Imagine a confusão se ele fizesse a mesma coisa ocupando um ministério. O caso provavelmente ganharia contornos de escândalo.

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.