Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro acusa Witzel de querer destruí-lo no caso Queiroz

Em entrevista exclusiva, presidente diz que um ex-assessor estaria envolvido no plano para assassiná-lo e projeta chapa com Moro

Por Policarpo Junior, Marcela Mattos - Atualizado em 20 dez 2019, 09h59 - Publicado em 20 dez 2019, 06h00

No sábado 14, Jair Bolsonaro acordou por volta das 2 da manhã. Ainda na cama, trocou mensagens pelo celular com o almirante Antonio Barra, o atual diretor da Anvisa. O assunto era irrelevante. Depois, o presidente, que sofre de insônia, dormiu novamente. Às 4 horas, despertou em definitivo, pegou outra vez o telefone e repassou a vários ministros uma análise sobre a situação da Argentina. Até amanhecer, Bolsonaro navegou por redes sociais, divertiu-se vendo memes que circularam sobre ele e a família, falou com a primeira-dama, que estava em viagem ao exterior, e recebeu de assessores um panorama sobre os últimos acontecimentos. O diagnóstico era que não havia nada de anormal, nenhuma turbulência à vista, coisa rara desde o início do governo. O presidente tinha agendado para logo cedo um encontro com VEJA no Palácio da Alvorada. Mas antes ele teve a visita de seu advogado pessoal, Frederick Wassef, e descobriu que a tranquilidade era apenas aparente. Um novo e barulhento escândalo envolvendo a família Bolsonaro estaria prestes a explodir. Acertou em cheio. Na quarta 18, o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro realizou uma megaoperação para desvendar o caso da “rachadinha” que implica seu filho Flávio e o ex-assessor Fabrício Queiroz (veja a reportagem). “Tenho convicção de que no final vão concluir que o Flávio não tem nada a ver com o problema dos outros. Há uma obsessão do governador do Rio (Wilson Witzel) em ser presidente a qualquer custo”, acusa Bolsonaro, insinuando que tudo não passa de uma armação do agora rival político.

Essa instabilidade tem sido a tônica do primeiro ano do governo Bolsonaro. De um lado, avanços importantes na economia, que dá alguns sinais (tímidos, mas sólidos) de retomada. Do outro, uma confusão política sem precedentes — ora movida pelos próprios arroubos do presidente e seus apaniguados, ora pelo fantasma de uma investigação que pode atingi-lo. No centro disso tudo está um político atormentado pela expectativa de um novo atentado, meio solitário, que tenta imprimir uma marca própria, quase sempre indo de encontro à liturgia do seu cargo. Na Presidência ou na vida pessoal, Bolsonaro não mede as palavras e dá de ombros à maioria dos protocolos, a ponto de não esconder que continua a cultivar no Palácio do Planalto o antigo hábito de tirar um cochilo diário após o almoço, no mínimo de quinze minutos, no sofá do gabinete presidencial. Ao receber a equipe de VEJA, ele chegou à imponente biblioteca do Alvorada de chinelos, bermuda e camisa do Paracatu, time do interior de Minas Gerais. Iniciou a conversa com uma piada (sem graça) e ressaltou que o governo terminou o ano melhor do que começou. Imediatamente, mostrou-se irritado ao ser instado a comentar notícias publicadas a respeito de uma possível reforma ministerial. E, como de costume, criticou a imprensa: “Eu vejo a capa dos jornais e das revistas e paro por aí. Não vou me envenenar logo cedo”. Ao longo das páginas desta reportagem, estão destacadas as opiniões de Bolsonaro sobre reeleição, economia, a traição de Donald Trump, Lula e outros assuntos nos quais o presidente se mantém fiel ao seu estilo “sem papas na língua”.

VENENO – Na cozinha e no almoço: um funcionário sempre experimenta a comida do presidente antes dele Cristiano Mariz/VEJA

Bolsonaro mudou-se para o Alvorada quando assumiu o governo, em janeiro deste ano. O palácio estava vazio desde 2017. O último inquilino, Michel Temer, havia morado lá por apenas uma semana. Nesse curto período, disse que ouvia ruídos estranhos, não conseguia dormir à noite e desconfiava que fantasmas rondavam o lugar. Bolsonaro gosta do Alvorada, mas também tem seus fantasmas — e eles o assombram permanentemente. O presidente vive cercado por seguranças, as instalações do palácio são vigiadas por militares do Exército e, ainda assim, ele não se sente totalmente seguro. Teme ser alvo de um novo atentado. “A gente contraria o interesse de muita gente”, justifica. Bolsonaro revela que, por precaução, dorme com uma pistola carregada ao alcance da mão. “E ainda tem outras arminhas que ficam guardadas por aí”, diz. Tamanha preocupação, segundo o presidente, não é fruto de paranoia. Até hoje ele não engole a versão de que o atentado a faca que sofreu durante a campanha foi obra exclusiva de um desequilibrado mental. “Houve uma conspiração”, afirma. Provas, ele não tem, mas sua teoria agora conta com mais um ingrediente intrigante (e provavelmente falso). Bolsonaro acredita que, além do ex-garçom Adélio Bispo dos Santos de Oliveira, autor da facada, uma figura do seu staff de campanha estaria envolvida de alguma forma no plano para matá-lo. O presidente não revela a quem se refere, mas, ao longo da entrevista, vai fornecendo detalhes que apontam para um ex-ministro. O motivo da traição seria uma vingança por ele não ter escolhido o ex-assessor como candidato a vice.

O Palácio da Alvorada está localizado em um terreno de 225 000 metros quadrados à beira do Lago Paranoá. Dispõe, ao todo, de oito quartos, quatro deles suítes. Os salões são decorados com obras de arte e tapeçaria de artistas famosos, e há cerca de quarenta serviçais de plantão todos os dias. Mesmo assim, Bolsonaro se sente só e se considera um prisioneiro dentro de toda essa suntuosidade. Observado de perto por dois seguranças, ele recepciona a equipe de VEJA na imponente biblioteca (que utiliza para receber uns poucos visitantes) e a leva à sala de cinema (que usou uma única vez para assistir a um jogo de futebol), à cozinha (onde costuma almoçar na companhia dos funcionários), à piscina (que teve o aquecimento cortado) e ao jardim (onde às vezes faz uma rápida caminhada). Ele não vê TV, não promove festas, não bebe e raramente recebe visitas. A área reservada à família foi a única que preferiu não mostrar. O presidente mora com a primeira-dama, Michelle, a enteada Letícia e a filha Laura, de 9 anos. Bolsonaro também pediu que não fossem fotografados os funcionários do palácio, especialmente os taifeiros. Teme que possam ser reconhecidos por inimigos e, sob ameaça, coagidos a fazer alguma loucura. Há sempre alguém destacado para experimentar as refeições antes de elas serem levadas ao prato do presidente.

Continua após a publicidade
CONSPIRATA – Segundo ele, um ex-assessor estaria envolvido no atentado a faca, que deixou cicatrizes Cristiano Mariz/VEJA

O passeio pelo jardim — belíssimo, diga-se — revela que Bolsonaro pouco transita por ali. Ao deparar com uma escultura, chamada Rito dos Ritmos, ele já se antecipa: “Não me perguntem o que é isso que eu não sei, tá? É um cara esquisito”. E, na presença do tal ser esquisito, levanta a camisa e mostra as cicatrizes remanescentes do atentado que sofreu. As famosas emas, que circulam livremente pela grama, diz o presidente, “lembram até aquele filme, o Jurassic Park, não é?”. Durante a caminhada, é ao lado dos funcionários que ele fica mais à vontade. “Fala, guerreiro. Não tem nenhum ‘viadinho’ por aí não?”, pergunta, rindo, a um jovem que capinava o terreno. Bolsonaro frequenta pouco a área externa do palácio porque acredita que pode estar sendo monitorado por drones. A Presidência comprou, recentemente, um sistema para abater aparelhos que sobrevoarem o perímetro do palácio.

Na reunião com o advogado Wassef antes da entrevista, Bolsonaro ficou sabendo que outro escândalo deve vir por aí. A próxima encrenca teria como origem interceptações de ligações telefônicas que supostamente mostrariam o envolvimento dele e dos seus filhos com o crime organizado no Rio de Janeiro — áudios que seriam divulgados por uma rede de televisão. “Pegaram dois milicianos, sei lá quem, conversando e a Polícia Civil gravando. Tem vários diálogos falando que no passado eu participava das milícias, pegava dinheiro das milícias, e agora, presidente, não participo mais — um papo de vagabundo.” Ele afirma que tudo não passa de mais uma tentativa de Witzel de desestabilizá-lo para ocupar seu lugar no futuro. “O governador botou na cabeça que vai ser presidente e tem de me destruir.” Até o fechamento desta edição, as tais gravações, se existem, ainda não haviam aparecido.

DESCONTRAÇÃO – Brincadeiras com a filha Laura e passeio de moto pelas pistas internas do Alvorada Cristiano Mariz/VEJA

Na juventude, Bolsonaro era conhecido como “cavalão”, por sua velocidade nas provas de atletismo. Depois de um acidente de motocicleta em que machucou o tornozelo, passou a “pangaré”. Na solidão do Alvorada, andar de moto é a única diversão do presidente. Nos fins de semana, percorre o circuito interno do palácio. Para quem observa, o tour parece ser um tanto monótono — a pista não tem mais do que 2 quilômetros, e a velocidade máxima permitida é de apenas 20 quilômetros por hora, embora o próprio presidente não respeite esse limite, para desespero dos seguranças que o acompanham de carro. Desde que comprou a moto, em novembro, Bolsonaro já conseguiu rodar 91 quilômetros. “Eu gostaria de andar na rua, mas a segurança não permite”, reclama. Apesar de tudo, da solidão, do isolamento, o presidente não esconde o desejo de passar mais sete anos submetido a esse regime de “prisão domiciliar”. Bolsonaro já anunciou que pretende disputar a reeleição — e confirma que pensa em ter Sergio Moro como futuro companheiro de chapa, embora ressalte nunca haver conversado com o ministro diretamente sobre o assunto. “É cedo demais para discutir, causa ciúme”, diz. Mas acrescenta: “Seria uma chapa imbatível”.

Daqui a alguns dias, o governo Bolsonaro completa seu primeiro ano. Para os adversários, parece uma eternidade, tantas foram as trapalhadas administrativas, as declarações inconsequentes, os sinais de um autoritarismo latente, as teorias de conspiração, os inimigos imaginários, os embates ideológicos que não levaram a lugar algum, as intermináveis crises envolvendo os filhos e os aliados políticos. Para o presidente, o balanço é alvissareiro: reformas importantes foram aprovadas, a economia voltou a crescer, o desemprego dá sinais de recuo, a inflação está sob controle, os juros são os mais baixos da história, casos de corrupção institucional e de fisiologismo explícito sumiram do noticiário e a criminalidade está em baixa. Esses dois cenários aparentemente antagônicos retratam de certo modo o que foi o governo em 2019 — um misto de boas e más notícias. A questão fundamental que se apresenta é saber o que vai prevalecer de agora em diante.

Continua após a publicidade
ISOLAMENTO – Na entrada do palácio, sozinho: o presidente dorme com uma arma ao alcance da mão Cristiano Mariz/VEJA

Queiroz e a milícia

Bolsonaro tem Wilson Witzel como seu principal inimigo. Segundo o presidente, o governador do Rio usa a Polícia Civil para tentar envolver ele e seus filhos no crime organizado. “O governador botou na cabeça que vai ser presidente e tem de me destruir. Depois da história do porteiro e das buscas na casa da minha ex-mulher, ele está preparando uma nova armação. Já sei que eles pegaram dois milicianos, sei lá quem, conversando e a Polícia Civil gravando. Tem vários diálogos falando que no passado eu participava das milícias, pegava dinheiro, e agora, presidente, não participo mais — papo de vagabundo. Recebo qualquer um dos governadores na hora que eles quiserem. O Witzel não. Se ele quiser falar comigo, vai ter de protocolar o pedido de audiência e dizer antes qual é o assunto”


Bolsomoro 2022

Apesar de dizer que se sente como um prisioneiro sem tornozeleira eletrônica desde que assumiu o governo, Bolsonaro já anunciou que pretende disputar a reeleição. Ele confirma a possibilidade de formar uma chapa com o ministro Sergio Moro. “Nós somos Zero Um e Zero Dois. Tem de ver se ele quer. Nunca entrei em detalhes com ele sobre esse assunto, até porque é cedo demais para discutir, causa ciúme. Você daria um sinal de que não está satisfeito com o Mourão, e da minha parte está tudo tranquilo com o Mourão. O Moro não tinha uma vivência política. A cabeça dele enquanto juiz pensava assim: ‘Se eu fosse presidente, faria isso’. Agora ele conhece a realidade. Mas seria uma chapa imbatível”

Continua após a publicidade

Suspeita de traição

Para o presidente, o atentado sofrido durante a campanha era parte de uma conspiração que envolveu um de seus mais próximos assessores. Bolsonaro não tem provas do que diz, tampouco revela o nome de quem teria orquestrado isso. “O meu sentimento é que esse atentado teve a mão de 70% da esquerda, 20% de quem estava do meu lado e 10% de outros interesses. Tinha uma pessoa do meu lado que queria ser vice. O cara detonava todas as pessoas com quem eu conversava. Liguei para convidar o Mourão às 5 da manhã do dia em que terminava o prazo de inscrição. Se ele não tivesse atendido, o vice seria essa pessoa. Depois disso, eu passei a valer alguns milhões deitado”


Impeachment

Entre abril e maio, o governo viveu o momento mais delicado. A reforma da Previdência não avançava, principalmente por causa da falta de entendimento no Congresso. “Nessa época, alguns setores chegaram a apostar que o governo não terminaria, sequer passaria do primeiro ano, principalmente quando se anunciou que a Previdência não iria pra frente, estava travada. Aí você perde o apoio do empresariado. Ainda tem gente que pensa assim. Disse ao Paulo Guedes que mais alguma reforma precisa ser feita, na hora certa e com a devida dose. A tendência agora é crescer, rodar a máquina da economia”

Continua após a publicidade

Lula e os bernes

O ex-presidente Lula aparece nas pesquisas como o mais bem posicionado adversário de Bolsonaro — apesar de inelegível e condenado a mais de 25 anos de prisão por corrupção. Desde que deixou a cadeia, o petista faz críticas ao presidente, que as ignora: “Não vou ficar batendo boca com o Lula. Eu aprendi a engolir, a ruminar. Esse pessoal da esquerda é parecido a um berne, um carrapato na vaca. Você fala: ‘Sai daí, você vai ser vegetariano agora’. Ele não sai. Morre com a vaca. As vacas desse pessoal são as estatais, os bancos oficiais, os ministérios. Vivem disso. É gente que não tem competência para fazer mais nada, grande parte nunca trabalhou na vida”


O eixo do mal

A eleição do peronista Alberto Fernández para a Presidência da Argentina é motivo de muita preocupação para Bolsonaro. O presidente vislumbra que o país vizinho pode se tornar um centro de irradiação de ações para desestabilizar politicamente governos como o da Bolívia e do próprio Brasil. “Fiz uma análise da questão da Argentina. O Evo Morales está na Argentina, que faz divisa com a Bolívia. É um indício. Ele vai ficar ali, tentando desestabilizar. Ontem chegou a informação de que o presidente da Argentina quer rever a legislação, impedir que a Justiça prenda ou persiga alguém politicamente. Lá, o Lula, que diz, entre aspas, que é perseguido político, não iria preso. Esse cenário nos preocupa muito”

Continua após a publicidade

Meio ambiente

No primeiro ano de governo, Bolsonaro atraiu a atenção do mundo ao levantar suspeitas sobre ONGs, questionar estatísticas e entrar em embates com cientistas e líderes mundiais, como o presidente francês Emmanuel Macron. “Na questão da Amazônia, a média de incêndios estava bem menor do que em anos anteriores. Mas ninguém dá bola para isso. Por ser eu, descem o cacete. Estive com o Macron, é uma pessoa que se comporta como um ser superior. A política ambiental dele é aumentar a demarcação de reservas indígenas. Mas isso não será implementado. Se você demarcar isso tudo que os caras querem, você mata o agronegócio. É puro interesse econômico. Os caras não estão preocupados com índio”


A pancada de Trump

No início do mês, os Estados Unidos anunciaram que iriam tarifar as importações de aço oriundo do Brasil. Bolsonaro, que se jactava de manter excelentes relações com o presidente Donald Trump, foi muito criticado. “No ano passado a imprensa bateu muito em mim, dizendo que eu ia fechar o comércio com a China. O pessoal também desceu a lenha em mim agora: ‘Entregou a base de Alcântara, foi traído pelo Trump’. Eu te pergunto: o aço foi taxado? Não. Então pronto. Aí você vai querer perguntar: conversou com o Trump? Não vou te responder. Acho que o Trump acordou de mau humor naquele dia e decidiu dar uma pancada na gente”

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 25 de dezembro de 2019, edição nº 2666

Publicidade