Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

‘E daí? Não faço milagres’, diz Bolsonaro sobre mortes por Covid-19

Presidente voltou a se dizer solidário aos parentes de pessoas mortas, mas disse que a maioria das vítimas é formada por idosos e que não há o que fazer

Por Da Redação Atualizado em 29 abr 2020, 10h37 - Publicado em 28 abr 2020, 21h05

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite desta terça-feira, 28, que não pode fazer nada em relação ao alto número de mortos por coronavírus no país, e lamentou que o Brasil tenha batido o recorde diário de mortes registradas pela Covid-19.

Ao ser questionado por um repórter na chegada ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que não tem como fazer milagres diante da pandemia. “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, em referência ao próprio nome, Jair Messias. A resposta arrancou risos de alguns apoiadores do presidente que estavam na grade montada diariamente na residência oficial do presidente da República. Bolsonaro chegou a perguntar a um repórter o que ele queria que o presidente fizesse.

Nesta terça, o Ministério da Saúde confirmou mais 474 vítimas do novo coronavírus. Com esses novos números, o total de óbitos no Brasil chegou a 5.017. De acordo com a OMS, a China, país onde a pandemia começou, soma 4.643 mortes pelo vírus.

Na coletiva, o presidente voltou a se dizer solidário aos parentes de pessoas mortas pela Covid-19, mas disse que a maioria das vítimas é formada por idosos e que não há o que fazer. Afirmou ainda que um dia ele também morrerá.

Bolsonaro disse também que quem apresenta os números sobre a pandemia no país é o ministro da Saúde, Nelson Teich. “O ministro que apresenta. Ele pegou o ministério andando. As mortes de hoje, a princípio, essas pessoas foram infectadas há duas semanas. A princípio. É o que eu digo para vocês: O vírus vai atingir 70% da população. Infelizmente é uma realidade.”. Ao ser perguntado se conversaria com Teich sobre a flexibilização do distanciamento social, Bolsonaro afirmou que não dá parecer e não obriga ministro a fazer nada.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)