Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Disputa pelo Senado provoca briga entre aliados de Bolsonaro

O deputado federal Hélio Negão e a deputada estadual no Rio, Alana Passos, travam guerra nos bastidores pelo apoio do presidente

Por Cássio Bruno
8 jul 2021, 12h54

Dois dos aliados mais fiéis ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) andam se estranhando nos bastidores. O deputado federal Hélio Lopes e a deputada estadual no Rio de Janeiro, Alana Passos, ambos do PSL, têm planos de disputar o Senado nas eleições de 2022. Como no próximo pleito haverá apenas uma vaga para o cargo – em 2018, foram duas, sendo o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) eleito para uma delas -, eles travam uma disputa para saber quem será o indicado do clã presidencial.

A briga política de Hélio Negão ou Hélio Bolsonaro, como é conhecido, e Alana vem causando um racha entre parlamentares bolsonaristas. A deputada flerta em concorrer ao Senado pelo Republicanos, partido ligado à Igreja Universal do Reino de Deus. O presidente, no entanto, ainda não sinalizou publicamente uma preferência. VEJA apurou que Bolsonaro poderá indicar o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, atual secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. “Hélio e Alana só olham para o próprio umbigo e não querem fazer política coletiva”, criticou um aliado de Bolsonaro.

Foi Hélio Negão quem apresentou Alana Passos a Bolsonaro, em 2018, quando o presidente resolveu apoiá-la à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Porém, os primeiros desentendimentos entre os deputados começaram já a partir daquele ano. Na época, Hélio se irritou com a companheira de partido porque ela teria iniciado um “voo solo”, ou seja, tomou decisões políticas sem a participação de Hélio.

Nas eleições de 2020, mais confusão: Hélio Negão se recusou a apoiar um candidato indicado por Alana Passos à prefeitura de Queimados, na Baixada Fluminense, reduto eleitoral dos dois. Em represália, ela pediu votos à reeleição do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), no momento em que o nome de Hélio era ventilado também para a disputa na capital. Em troca do apoio, Crivella nomeou aliados de Alana na prefeitura.

Procurada por VEJA, Alana Passos afirma que se colocou à disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas nega a briga. “Quem fez essa fofoca está bastante equivocado. Não existe indisposição e nem disputa alguma com o Hélio, que é meu amigo. Se o presidente der a ele a missão de disputar uma vaga ao Senado pelo Rio, eu serei a primeira a apoiar”, afirmou a deputada por nota. Hélio ainda não respondeu.

Continua após a publicidade

Eleita para a Alerj com 106.253 votos, Alana tem origem militar. É sargento do Exército há mais de uma década. Foi a mulher mais votada e a terceira entre todos os candidatos no estado do Rio. Na curta carreira política, a deputada coleciona polêmicas. Alana nomeou no próprio gabinete a sua empregada doméstica. Embora ocupasse cargo de assessora parlamentar na Alerj, a mulher, na verdade, fazia faxina na casa da parlamentar. Em julho do ano passado, o Facebook removeu perfis ligados a Alana sob acusação de que a rede era usada para espalhar conteúdo falso e favorável a Bolsonaro.

Em suas páginas oficiais na internet, Alana Passos se descreve como evangélica, conservadora, fiel escudeira e “a 01 de Bolsonaro”. O marido da parlamentar, Robson Ferreira de Souza, está nomeado no gabinete do deputado federal Márcio Labre (PSL-RJ), com um salário bruto de 11,4 mil reais. É Robson quem comanda o grupo político de Alana.

Já Hélio Negão é aquele político que quase sempre aparece nas imagens da imprensa atrás de Bolsonaro durante as agendas públicas do presidente. O deputado não toma qualquer decisão sem antes consultá-lo. Participa também de grande parte das viagens de Bolsonaro no país e no exterior. Bolsonaro já confidenciou a aliados ter a intenção de indicar Hélio ao Tribunal de Contas da União (TCU) após a aposentadoria da ministra Ana Arraes. Em 2018, Hélio foi campeão de votos para deputado federal: 345.234 votos, desbancado o favorito Marcelo Freixo (PSB-RJ), que obteve 342.491. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.