Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Disputa na Câmara já tem cinco candidatos e quatro ações no STF

Crescem as chances de segundo turno na eleição de quinta-feira, que tem o favorito Rodrigo Maia (DEM-RJ) na mira de ações judiciais movidas por adversários

A semana que definirá o novo presidente da Câmara dos Deputados começou com movimentação no tabuleiro que tem como principais concorrentes o atual mandatário da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), e o líder do PSD, Rogério Rosso (DF) – estes últimos dois nomes do Centrão, bloco informal que reúne 13 partidos e cerca de 220 deputados. A votação no plenário acontece na próxima quinta-feira.

Ontem, diante da pressão interna para não apoiar deputados que votaram pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o presidente do PT, Rui Falcão, defendeu que a oposição articule uma candidatura ao comando da Câmara. Nesta segunda-feira, a eleição ganhou um quinto concorrente, Júlio Delgado (PSB-MG), e a quarta ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contestando a candidatura de Maia.

No mandado de segurança impetrado hoje, Delgado, Jovair, Rosso e André Figueiredo (PDT-CE), este também candidato, pedem que o STF conceda uma liminar para impedir a Mesa Diretora da Câmara de registrar a candidatura de Maia e suspenda a realização da eleição para os cargos de diretoria “até que a Corte se pronuncie definitivamente sobre a questão”.

Os autores da ação também pedem que, caso o presidente da Câmara registre candidatura e venha a ser eleito, o STF determine a suspensão de sua posse até uma posição definitiva ser tomada pela Corte sobre a matéria.

O principal argumento dos adversários do presidente da Câmara é o artigo 57 da Constituição, que veda a reeleição de presidentes do Legislativo no mesmo mandato. Maia assumiu o “mandato tampão” como presidente da Câmara em 14 de julho de 2016, após afastamento do posto do então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), depois preso numa das fases da Operação Lava Jato.

Delgado candidato

Derrotado na eleição à presidência da Câmara de 2015, quando Cunha foi eleito ainda em primeiro turno, Júlio Delgado anunciou hoje que concorrerá novamente ao cargo. Com a definição do deputado, a disputa chega a cinco candidatos e cresce a possibilidade de a eleição ir ao segundo turno, em razão da pulverização de votos.

No anúncio de sua candidatura, o pessebista mineiro ressaltou que sua campanha não tem apoio de seu partido, o PSB, que definiu apoio a Maia.   Além do argumento de que a candidatura do democrata à reeleição é inconstitucional, Delgado entende que o fato de o deputado do DEM ter assinado, em 22 de dezembro, um ato definindo o rito da eleição para a Mesa Diretora da Câmara o impede de ser candidato. “Se o presidente da Câmara assinou um ato, dando o rito, a hora e o local da eleição, ele não pode ser candidato. E se ele for candidato, esse ato tem que ser nulo”.

Rosso ‘descongela’ candidatura

Menos de uma semana após anunciar suspensão de sua campanha, o deputado Rogério Rosso anunciou nesta segunda-feira que retomará as atividades.

Na última quarta-feira, o líder do PSD tinha anunciado que suspenderia a campanha até que o Supremo julgasse as ações que tentam barrar a candidatura de Maia. Hoje, porém, a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, anunciou a pauta de julgamentos do STF, sem incluir nenhum dos quatro processos contra o deputado do DEM. “STF pautou para 4ª? Não. Portanto fico à vontade para continuar campanha”, disse Rosso hoje.

PT dividido

Embora o líder petista na Câmara, Carlos Zarattini (SP), tenha sinalizando possibilidade de apoio a Rodrigo Maia como modo de ocupar cargo na Mesa Diretora e manter relevância política na Casa, o presidente do partido, Rui Falcão, defendeu neste domingo que a sigla se una a parlamentares de PDT, PCdoB, Rede e PSOL e forme um bloco nas eleições para a presidência da Câmara. O PT tem 58 deputados federais.

As bancadas do partido vêm sofrendo pressão de militantes, que consideram um contrassenso o apoio a Maia – parlamentar do DEM que votou pelo impeachment de Dilma e hoje faz parte da base de apoio ao presidente Michel Temer.

Por meio de nota, Rui Falcão lembrou que a resolução mais recente do Diretório Nacional do PT não traz vetos ao “prosseguimento das conversações que vinham se realizando pelas bancadas, com todos os postulantes à direção das Casas congressuais”. “Eis aí o foco principal da divergência que, a nosso ver, provocou o movimento de contestação e de pressão sobre as bancadas, a quem competirá a decisão final, por consenso ou maioria”, acrescentou.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Gonzaga da Silva

    Podem até me chamar de analfabeto político, ignorante, mas pra mim essa praga ao invés de estar digladiando pra ver quem assume a presidência da câmara deviam é estar lutando para ficar com lugarzinho melhor de uma cela num presídios bem fedorento….. Bando de abutres safados….# falei…

    Curtir

  2. José Gonzaga da Silva

    ** degladiando

    Curtir

  3. A lei proibe a candidatura do Maia e fim do papo!

    Curtir

  4. Juca Leiteiro

    Do jeito que anda o conceito dos membros da classe política atual junto ao povo brasileiro, qualquer eleição ou nomeação de candidato que responde a ação judicial, está irremediavelmente contaminada.

    Curtir