Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dirceu quer vender por R$ 5 mi prédio que custou R$ 1,6 mi

Imóvel da JD Assessoria e Consultoria em área nobre de São Paulo foi comprado em 2012 – a transação provocou suspeitas na Receita Federal

Por Felipe Frazão - 19 mar 2015, 04h42

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT), condenado no mensalão e investigado no escândalo do petrolão, revelou-se um próspero consultor desde que deixou o Palácio do Planalto: graças ao trânsito no governo, que não perdeu mesmo após deixar o ministério de Lula, Dirceu faturou 29 milhões de reais entre 2006 e 2013 por meio de sua empresa, a JD Assessoria e Consultoria. Enquanto a Polícia Federal e o Ministério Público apuram quais eram os reais serviços prestados pela firma, Dirceu tenta se aventurar também como negociador de imóveis. A sede declarada da JD Consultoria, comprada pelo ex-ministro por 1,6 milhão de reais, foi colocada à venda por mais do que o triplo do valor pago: 5,5 milhões de reais.

Leia mais:

Saiba quem eram os clientes do ‘consultor’ José Dirceu

Clube do bilhão pagou R$ 8 milhões a José Dirceu

O imóvel é uma casa comercial no bairro de Moema, na Zona Sul de São Paulo, cujo processo de compra, ocorrido há três anos, está na mira da Receita Federal. A pedido do Ministério Público Federal, auditores da Receita identificaram transações suspeitas na aquisição da casa, em maio de 2012. Dirceu comprou o imóvel dos antigos donos, os irmãos Cecília Leme da Fonseca Oliveira e Ruy Leme da Fonseca, que haviam recebido a casa como herança. O ex-ministro declarou que começou a quitar o imóvel com recursos próprios, por meio de uma entrada de 400.000 reais. Ele parcelou o 1,2 milhão restante por meio de financiamento do Banco do Brasil. Seriam pagas 161 parcelas mensais.

Continua após a publicidade

No relatório da Receita Federal, os fiscais anotaram o alerta: “Possível movimentação financeira incompatível (especialmente em maio), pois segundo declarações do contribuinte, o mesmo teria pago 400.000 reais relativos ao imóvel com recursos próprios, porém, s.m.j. [salvo melhor juízo], esses recursos não circularam pela sua conta-corrente”. Segundo dados da Receita, Dirceu teve movimentação financeira de 229.121,93 reais em 2012. O órgão também apontou que ele declarou um empréstimo de 230.000 reais para o irmão Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, sócio na JD, que “também não circulou pela conta-corrente do contribuinte”.

As informações da Receita Federal vieram a público depois que o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba (PR), suspendeu o sigilo do processo em que Dirceu é investigado na Lava Jato. No relatório da Receita, também constam informações sobre os clientes da consultoria de Dirceu e sobre empresas que ele contratou, por exemplo, a Caso Sistemas de Segurança. A Caso recebeu 21.600 reais por serviços prestados entre 2010 e 2011. A empresa pertence a Freud Godoy, ex-segurança de Lula e apontado pelo operador do mensalão, Marcos Valério, como intermediador de pagamentos de despesas pessoais do ex-presidente.

Também aparecem na lista carros de Dirceu e de sua empresa. Em nome dele, há uma caminhonete Chevrolet S-10. Em nome da JD Assessoria e Consultoria, constam veículos mais luxuosos, como um Chevrolet Ômega, um Hyundai Tucson, um Toyota Camry, um Hyundai Azera, um Toyota Hilux e um Honda Fit.

Compra ou aluguel – Em contato com corretores da imobiliária contratada para a negociação da sede da JD Consultoria, o site de VEJA apurou que o valor inicial pedido pelo proprietário da casa é de 5,5 milhões de reais. O imóvel também pode ser alugado. Nesse caso, o valor é de 25.000 reais mensais. O site da imobiliária informa os preços de forma mais genérica: acima de 2 milhões de reais para compra e entre 18.000 e 26.000 reais para aluguel.

O valor de venda está bem acima do que o ex-ministro pagou pelo imóvel, três anos atrás: 1,6 milhão de reais. Se fechar o negócio pelo valor pedido inicialmente, sem descontos, Dirceu terá uma variação positiva de 243% entre o que desembolsou e o que poderá embolsar. O imóvel fica na Avenida República do Líbano, região nobre da capital paulista, e tem 501 metros quadrados, sendo 408 metros quadrados de área útil. Segundo informações da imobiliária, tem cinco salas e quatro vagas de garagem.

Continua após a publicidade
Publicidade