Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Com Câmara trancada, vereadores vão se reunir para discutir ocupação

Treze manifestantes permanecem no prédio, invadido na manhã de sexta-feira. Grupo exige que o PSOL presida a CPI dos Ônibus

Por Da Redação 12 ago 2013, 11h54

Com a Câmara Municipal ainda ocupada por manifestantes, e o acesso de funcionários bloqueado por correntes, os vereadores do Rio vão se reunir às 14h desta segunda-feira, numa tentativa de solucionar o impasse criado pelo protesto. Desde a manhã de sexta-feira, quando cerca de 200 pessoas invadiram o local, o Palácio Pedro Ernesto transformou-se em mais um ponto de acampamento de manifestantes. O grupo se recusa a aceitar como presidente da CPI dos Ônibus o vereador Chiquinho Brazão (PMDB), escolhido no primeiro dia de trabalho da comissão. Brazão, por sua vez, se recusa a abrir mão do posto.

Ocupação da Câmara põe Eduardo Paes na mira das manifestações

Quem é Pablo Capilé, o líder por trás da Mídia Ninja

O número de ocupantes foi reduzido ao longo do fim de semana. Depois da invasão por cerca de 200 jovens, apenas cinquenta permaneceram no sábado. Na manhã desta segunda-feira, somente treze deles estavam no prédio.

Por determinação do presidente da Casa, vereador Jorge Felippe (PMDB), apenas a porta lateral da Câmara serve neste momento de acesso às áreas internas. Funcionários estão barrados e os vereadores que querem chegar até os gabinetes têm dificuldade de circular pelos corredores, segundo afirmou Paulo Pinheiro (PSOL) à Rádio CBN, esta manhã.

Os manifestantes querem que o vereador Eliomar Coelho (PSOL), que apresentou o requerimento para criação da comissão, seja o presidente. Para Pinheiro, o prefeito Eduardo Paes deve se manifestar e intervir, negociando com a base governista, para dissolver o impasse. O prefeito, no entanto, vem se mantendo distante do problema na Câmara, por considerar que não deve interferir nas questões do Legislativo no momento.

Leia também:

Sem PM, manifestantes ficam acampados na Câmara

Reinaldo Azevedo: Invasão da Câmara é só manifestação de truculência do PSOL

Continua após a publicidade
Publicidade