Group 21 Copy 4 Created with Sketch.
Ao vivoAmarelas ao Vivo entrevista Alvaro Dias, do Podemos

Evento de VEJA já ouviu os presidenciáveis João Amoêdo (Novo) e Geraldo Alckmin (PSDB). Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB) também serão sabatinados

Alexandre de Moraes manda inquérito contra Aécio para 1ª instância de MG

Decisão foi tomada com base na restrição do foro privilegiado de parlamentares. Senador é investigado com base na delação premiada da Odebrecht

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta terça-feira (8) enviar a instâncias inferiores sete processos contra parlamentares que estavam sob sua responsabilidade no STF. Moraes justificou a medida com base na decisão do plenário do Supremo que, na semana passada, limitou a aplicação do foro privilegiado de deputados e senadores apenas a crimes cometidos durante o mandato e em função do cargo. Entre as ações que deixarão a jurisdição da Corte está um inquérito aberto para investigar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) com base em delações de executivos da Odebrecht.

“Dessa forma, ausentes os requisitos integradores da competência desta Corte, determino a imediata remessa dos autos para a Justiça Criminal Estadual de Primeiro Grau da Comarca de Belo Horizonte, para regular e livre distribuição do feito para uma de suas Varas Criminais, preservando-se a validade de todos os atos praticados e decisões proferidas”, decidiu Moraes.

O inquérito que investiga Aécio partiu dos relatos das delações dos executivos Sérgio Luiz Neves e Benedicto Júnior, o BJ, a respeito de supostas propinas pagas ao tucano na construção da Cidade Administrativa, sede do Executivo mineiro, em 2007, quando o agora senador iniciou seu segundo mandato como governador.

Segundo os delatores, a execução da obra foi dividida entre empreiteiras que formavam um cartel. A Odebrecht, disseram Neves e Júnior, recebeu 90 milhões de reais na construção e pagou 5,2 milhões de reais em propina a Aécio por meio do setor de propinas da empreiteira. Os valores, ainda conforme os executivos, foram pagos a Oswaldo Borges da Costa, apontado como “contraparente” de Aécio Neves, e destinados ao tucano.

A abertura da investigação foi autorizada pelo relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, em abril de 2017, quando veio a público o conteúdo das delações da empreiteira. Por não ter relação com o escândalo de corrupção na Petrobras, no entanto, o inquérito acabou redistribuído a Alexandre de Moraes em junho do ano passado. Em fevereiro de 2018, o ministro havia atendido um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para prorrogar a investigação por mais 60 dias.

Por meio de nota, o advogado de Aécio Neves, Alberto Zacharias Toron, afirmou que a decisão de Moraes “era esperada, já que baseada em decisão do pleno do Supremo Tribunal Federal”. “Em relação ao inquérito relativo à Cidade Administrativa de MG, o senador Aécio Neves reitera que jamais participou da formação de suposto cartel. O edital de licitação foi previamente apresentado ao MP-MG e ao TCE. A licitação foi objeto de ampla investigação por parte do Ministério Público Estadual que concluiu pelo arquivamento de falsas denúncias após constatar a regularidade de todos os procedimentos. As obras foram auditadas em tempo real por uma empresa independente”, diz Toron.

Além da apuração sobre Aécio Neves, foram enviados por Moraes a instâncias inferiores uma ação penal contra o deputado Roberto Góes (PDT-AP) e outros cinco inquéritos, que investigam os deputados César Halum (PRB-TO) e Carlos Gaguim (DEM-TO), Luís Nishimori (PR-PR), Betinho Gomes (PSDB-PE), Rossoni (PSDB-PR) e Ricardo Teobaldo (PODE-PE).

Réu pelos crimes de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, falsificação de documento público e fraude a licitação, supostamente cometidos quando era prefeito de Macapá (AP), entre 2009 e 2012, Góes será julgado pela 4ª Vara Criminal da Comarca da cidade.

Gaguim e Halum, investigados por supostos crimes de peculato, falsidade ideológica e corrupção passiva à época em que eram, respectivamente, governador e deputado estadual de Tocantins, passarão a responder perante a primeira instância estadual, na comarca de Palmas.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) receberá o inquérito contra Nishimori pelos crimes de estelionato, organização criminosa e falsidade ideológica, supostamente cometidos entre 2003 e 2006, quando ele era deputado estadual no Paraná. Já a primeira instância paranaense, na comarca de Curitiba, será a responsável pelo inquérito que apura crimes de peculato e lavagem de dinheiro por Rossoni, supostamente cometidos pelo tucano no período entre 2003 e 2010, quando ele era deputado estadual.

A suposta prática de caixa dois na campanha de Betinho Gomes a deputado estadual na eleição de 2010 passará a ser investigada pela Justiça Eleitoral de Jaboatão dos Guararapes (PE).

Quanto ao inquérito que apura supostas irregularidades orçamentárias na Prefeitura de Limoeiro (PE) em 2012, quando o prefeito era o deputado Ricardo Teobaldo, a responsabilidade ficará com a comarca da cidade.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Reginaldo Quadros

    E ai, vai uma panela com um pato amarelo dentro??????

    Curtir