Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A missão de Alcolumbre: infernizar a vida de Sergio Moro

Senador é a voz mais destacada dentro do União Brasil contra a presença do ex-juiz da Lava-Jato no partido

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 10 dez 2022, 19h11

Na cúpula do União Brasil existem muitas dúvidas e uma única certeza. Dúvidas sobre ingressar formalmente à base de sustentação do futuro governo Lula, dúvidas sobre se o caminho da independência parlamentar é o mais profícuo, dúvidas sobre cobrar abertamente uma fatura negociada meses antes, quando retirou o nome do deputado Luciano Bivar da corrida presidencial para esvaziar o projeto de terceira via. No rol das certezas, porém, não há tergiversação: o ex-presidente do Senado e atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) Davi Alcolumbre é a voz mais estridente contra a presença do ex-ministro Sergio Moro dentro da legenda e tem como plano pessoal infernizar a vida partidária do ex-juiz da Lava-Jato.

No final de novembro, em reunião com parlamentares do União Brasil, MDB e PSD, Lula ouviu de integrantes mais “lulistas” do partido de Moro que estão dispostos a isolá-lo na legenda e atormentar de tal modo o dia a dia do senador eleito que não duvidam que ele peça para sair da agremiação. A interlocutores Alcolumbre se prontificou a liderar o processo de expurgo do ex-juiz da Lava-Jato.

As intrigas dentro da legenda ocorrem às vésperas do julgamento da prestação de contas do senador eleito pelo Paraná. Até quarta-feira, 14, é esperado que o Tribunal Regional Eleitoral do estado analise a arrecadação e os gastos da campanha do ex-juiz. A tendência é que a Corte aprove os dados com ressalvas, já que a equipe técnica do TRE encontrou inconsistências em notas fiscais e contratos. Por representarem apenas uma ínfima parte do valor global de gastos, porém, não devem dar dor de cabeça ao novo parlamentar.

Paralelamente, a equipe do ex-ministro de Bolsonaro também já se movimentou para medir o temperatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde pelo menos três recursos contestam a legalidade de Sergio Moro ter concorrido ao Senado pelo Paraná. Como se sabe, depois de deixar o Podemos, partido a que se filiou para disputar a Presidência, ele migrou para o União e anunciou que concorreria a uma vaga ao Senado por São Paulo, mas teve o novo domicílio eleitoral rejeitado pela Justiça. Paralelamente, também tramita no TSE uma ação de investigação judicial eleitoral movida pelo PL paranaense que contesta até mesmo os gastos da pré-campanha de Moro no Podemos e que, em um cenário extremo e improvável, poderia cassar-lhe o mandato.

Embora todas essas ações dificilmente produzam resultados concretos contra o futuro mandato de Moro como senador, a simples possibilidade de apresentar sucessivos recursos que, no limite, poderiam derrubá-lo do cargo funciona como uma espada de Dâmocles sobre o ex-juiz, que já começa a vida política com a cabeça a prêmio. Seja na Justiça Eleitoral, seja dentro do própria casa, com o projeto pessoal de Davi Alcolumbre.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.