Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A Justiça e a lei

O STF liberta dois condenados da Lava-Jato por entender que a prisão preventiva estava longa demais. É a maior derrota do juiz Sergio Moro em três anos

Terça-feira, 25 de abril. A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) dá um perigoso sinal sobre os rumos da Operação Lava-Jato e coloca em liberdade dois condenados no escândalo do petrolão: o empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula e avalista de um empréstimo fraudulento usado para canalizar propina para o PT, e o ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP) João Claudio Genu, apenado em oito anos e oito meses de prisão por 11 crimes, entre eles corrupção passiva e associação criminosa por ter participado do esquema que desviava recursos da Petrobras. Ambos haviam sido condenados pelo juiz Sergio Moro, que em Curitiba conduz com mão de ferro os processos que tratam do propinoduto instalado na Petrobras. Após a ordem para a soltura dos dois condenados, o ministro Gilmar Mendes, que preside a Turma, verbalizou o recado do Supremo: “Curitiba passou dos limites e concedemos os habeas corpus”.

O julgamento daquela terça reacendeu a esperança em políticos e empresários condenados e encarcerados em Curitiba e pode significar a maior derrota do juiz Sergio Moro desde o início da Lava-Jato, há mais de três anos. O ex-diretor Renato Duque, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e os ex-deputados Eduardo Cunha e André Vargas esperam que os argumentos em favor da liberdade de Genu e Bumlai possa ser estendido a eles. O ex-ministro José Dirceu, condenado a 32 anos de prisão, é o primeiro da fila. Ele deve ter um pedido de habeas corpus julgado nos próximos dias.

A liberdade de condenados no petrolão é apenas o primeiro grande revés contra Sergio Moro. Há um golpe muito maior em andamento contra a Lava-Jato, no Congresso Nacional: um truque que pode livrar os políticos de serem julgados por Moro, mesmo que percam o foro privilegiado.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Claudionor Marchiolli

    O STF é uma vergonha.
    Deviam dar o exemplo de austeridade. Gilmar Mendes, Toffoli, Lewandovisk são paus mandados.
    O povo tem que reagir.

    Curtir

  2. JOSÉ ROBERTO DE LIMA MACHADO

    Tem Juiz no STF que não tolera concorrência de holofotes!…

    Curtir

  3. Todo Velho quer ficar em casa. O velho réu confesso teve sua prisão domiciliar revogada para que ele possa sair passear porque, segundo o ministro, tá dodói. Só no Brasil de hoje

    Curtir

  4. vergonha.com.br…se existe este endereço tudo bem , se não existe fica ai a ideia para cobrir toda vergonha brasileira em um canal específico.

    Curtir

  5. Espancador de PeTralha

    estoa achando que por serem ministro estao livres da mao do povo é…. óde ter segurança o que for, mas a moral e o respeito, JA ERA.
    se eu ver no aeroporto vai ouvir o que merece. se ver em qualquer… o povo n vai perdoar! defensor de vagabundo ladrao, é tao ou mais.

    Curtir

  6. Vicente Machado

    O Supremo está certissimo. Prisão preventiva não pode ser infinita, ate porque não existe prisão perpetua no Brasil. Mas como está na moda aplaudir a prisão indeterminada de politicos corruptos, como se a nossa sociedade não fosse TODA ela corrompida, o Supremo veio acabar com essa baderna juridica. Ate porque o Supremo baliza principios para TODOS e não para a lava-jato. Enquanto forem os politicos presos todos aplaudem. Quero ver quando esse abuso de prisão preventiva atingir a todos indiscriminadamente, aí vão chorar tarde. Mas pais de gente cretina e ignorante precisa ardentemente de salvadores da patria de plantão e o juiz Moro é um desses. Ainda que para isso tenha que desMOROnar o sistema juridico do país sob os aplausos da plebe idiota.

    Curtir

  7. Loide Figueiredo

    Um absurdo. Bandido tem que ficar na cadeia. Abaixo esse STF.

    Curtir