Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tropas russas se mobilizam na Belarus, na fronteira norte da Ucrânia

Putin se vale de apoio de Lukashenlo, o último ditador da Europa para posicionar exército em área considerada estratégica para se chegar à Kiev

Por Ricardo Ferraz
29 jan 2022, 20h59

A tensão na fronteira entre Belarus e Ucrânia aumentou nos últimos dias com a movimentação mais intensa de tropas russas na região. A concentração de soldados, tanques blindados, caças e lançadores de foguetes nunca foi tão grande, desde a época em que a União Soviética dominava a região, relataram oficiais militares ao jornal The New York Times. 

A Rússia cercou o norte da Ucrânia, onde a fronteira é mais desguarnecida, posicionando seu exército como uma ferradura, cercando a região por três lados, em territórios da Belarus, de quem é aliada.  O Ministério da Defesa russo informou que algumas de suas forças mais avançadas e bem equipadas foram enviadas para nove bases e aeródromos.entre os equipamentos, estão poderosos sistemas antiaéreos S-400 e centenas de aviões bombardeiros.

A maior parte do contingente militar da Ucrânia se concentra no leste do país, onde o governo de Kiev mobiliza forças para lutar contra um movimento separatista. Ao norte, apenas a 8.500 soldados foram enviados no ano passado, não para proteger o país de uma possível invasão russa, mas para  impedir que a Belarus enviasse migrantes do Oriente Médio pela fronteira, como fez nos limites com a Polônia e com a Lituânia.

“Os 1 070 quilômetros de nossa fronteira com a Bielorrússia se tornaram uma ameaça”, diz Oleksii Reznikov, ministro da Defesa da Ucrânia., que faz questão de frisar que o país mantém “uma atitude muito calorosa em relação ao povo bielorrusso”. Aleksei Shevchuk, o primeiro vice-comandante do posto de fronteira, disse que ele e seus companheiros estariam prontos para lutar caso as forças russas aparecessem na fronteira. Mas ele reconheceu que pouco poderiam fazer contra os tanques russos.

Oficialmente, o Kremlin alega que se tratam de exercícios militares programados para fevereiro. O temor da União Europeia e dos Estados Unidos, porém, é de que o presidente Vladimir Putin ordene uma invasão à Ucrânia. O objetivo dos exercícios, denominados “Allied Resolve”, é “desenvolver diferentes opções para neutralizar conjuntamente as ameaças e estabilizar a situação nas fronteiras”, disse o vice-ministro da Defesa da Rússia, Aleksandr V. Fomin, em uma reunião com adidos militares estrangeiros em Moscou este mês.

Continua após a publicidade

Governada pelo último ditador da Europa, Aleksandr G. Lukashenko,  a Belarus anda mantem uma proximidade com Moscou digno da Guerra Fria. Apesar disso, ele vinha mantendo certa distância do conflito entre Ucrânia e Rússia, o que  mudou após as eleições presidenciais em agosto de 2020, quando os serviços de inteligência russos o socorreram, em meio a uma onda de protestos contra seu governo.

(Com The New York Times)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.