Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Tesla enfrenta julgamentos por morte causada por piloto automático

Empresa comandada pelo magnata Elon Musk é processada por dois acidentes fatais ocorridos em 2019

Por Da Redação
Atualizado em 28 ago 2023, 18h50 - Publicado em 28 ago 2023, 17h38

A empresa automotiva Tesla, chefiada pelo magnata americano Elon Musk, enfrentará seu primeiro julgamento, em setembro, a respeito da suposta falha do recurso de assistência ao piloto automático do carro Model 3, provocando dois acidentes em 2019. Os carros “autopilotáveis”, que podem custar até US$ 15 mil, distinguem a Tesla no ramo e seriam cruciais para o seu futuro da instituição, de acordo com Musk.

O primeiro acidente teria ocorrido em uma rodovia em Los Angeles, nos Estados Unidos, quando o veículo teria desviado abruptamente, em alta velocidade, e atingido uma palmeira, entrando em combustão instantânea. O proprietário do veículo, Micah Lee, morreu, enquanto uma passageiro de 8 anos ficou gravemente ferido.

Não divulgado anteriormente, o processo foi movido pelos espólios de Lee e pela família da criança ferida. A acusação alega que a Tesla teria conhecimento da falha do piloto automático no momento da compra, sendo responsável pelo acidente. A ação inaugura os julgamentos contra a empresa, em setembro deste ano.

+ Sem data marcada, Musk diz que luta com Zuckerberg será transmitida no X

Continua após a publicidade

Previsto para outubro, o segundo processo pauta um acidente, ocorrido também em 2019, em Miami. O mesmo modelo de carro teria colidido com um caminhão de 18 rodas em uma estrada da cidade, localizada na Flórida. Como consequência, o automóvel teve seu teto arrancado, matando o proprietário, Stephen Banner. Segundo sua esposa, responsável por mover o processo contra a Tesla, o piloto automático não teria freado ou tentado evitar a batida.

A empresa, por sua vez, nega todas as acusações e afirma que as fatalidades foram reflexo de mau uso dos motoristas, destacando que o piloto automático não apresenta problemas de segurança quando monitorado por humanos. Através de um documento, a Tesla reforçou que os proprietários devem manter as mãos no volante. Os advogados de Banner, em contrapartida, destaca que receberam documentos que comprovariam que Musk e sua equipe teriam ciência das falhas.

Em abril, a marca de automóveis saiu vitoriosa de um julgamento relacionado a um acidente com o Model S, que teria batido no meio-fio de uma estrada e ferido o motorista. A deliberação do júri argumentou que a Tesla advertiu os donos dos carros sobre as regras do sistema e que o erro teria sido fruto da distração do proprietário. Mesmo com a propaganda “Full Self-Driving” (algo como direção totalmente autônoma, em português), a empresa demanda a supervisão humana durante os trajetos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.