Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Spam está de volta ao cardápio

Por Da Redação
21 nov 2008, 20h06

As latinhas de Spam, a presuntada de carne de porco com muito tempero que se tornou um símbolo das horas brutais de recessão e guerra para os americanos, reapareceu nas gôndolas dos supermercados dos Estados Unidos com a atual crise financeira.

O Spam foi o prato principal das famílias pobres na Grande Depressão dos anos 30 e alimentou as tropas americanas na II Guerra Mundial. Ele era e continua sendo nos EUA a forma mais barata de se obter proteína � uma lata de 340 gramas custa 2,40 dólares. O equivalente brasileiro mais próximo é a lata de sardinha. Ela alimentou muitos serventes de pedreiro antes que o Plano Real nos anos 90 aumentasse o poder de compra dos brasileiros mais pobres e a derrota da inflação colocasse nas prateleiras o frango de 1 real por quilo.

Desde julho deste ano, a principal fábrica do produto, a Hormel, em Austin, no estado de Minnesota, trabalha de domingo a domingo. Sem folga. Abate 19 000 porcos por dia. Na mesa dos mais pobres, o Spam voltou a servir como substituto da carne.

As famílias americanas que faziam lanches no McDonald�s agora compram Spams, e as que comiam em restaurantes agora fazem lanches no McDonald�s, numa cascata em que a escassez de dinheiro vai sepultando a preocupação com nutrição saudável. As vendas de Big Mac, cuja queda chegou a ser cantada em prosa e verso devido à valorização do dólar, acabaram disparando, favorecidas pelo preço e pelo conforto que proporciona a quem não quer cozinhar em casa.

Leia a reportagem completa em VEJA desta semana (na íntegra somente para assinantes)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.